BofA diz que teste é 'agressivo' mas que levantará capital

Executivo do banco afirma que quantia sugerida pelo governo, de US$ 33,9 bi, é excessiva, mas será levantada

Marcílio Souza, da Agência Estado,

08 de maio de 2009 | 13h19

Os resultados dos testes de estresse do governo dos Estados Unidos foram "bastante agressivos" com o Bank of America, disse o executivo-chefe da instituição financeira, Kenneth Lewis, à rede de televisão CNBC. Mas ele afirmou que o BofA pretende seguir a orientação e levantar US$ 33,9 bilhões em capital, embora Lewis considere essa quantia excessiva.

 

Veja também:

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise 

 

Ele disse que não importa se a demanda do Tesouro dos EUA é justa. "Estamos fazendo", afirmou. Lewis reiterou comentários feitos na quinta-feira em teleconferência de que o BofA planeja levantar cerca de US$ 17 bilhões em capital por meio da emissão de novas ações e da conversão das atuais, e US$ 10 bilhões por meio da venda de ativos.

 

O executivo também foi questionado sobre uma controvérsia relacionada à pressão que pode ter recebido para dar continuidade ao processo de aquisição do Merrill Lynch. "Ninguém deve questionar a integridade de Henry Paulson ou de Ben Bernanke". Lewis, que vai testemunhar sobre o assunto perante um comitê do Congresso, recusou-se a comentar mais, seguindo o conselho de seu advogado.

 

Ele disse que o BofA está ansioso para pagar os empréstimos recebidos durante a crise "para tirar o governo de nossas costas", repetindo a expressão usada na teleconferência na quinta. Ele afirmou não saber quem foi o responsável por vazar informações para a mídia sobre os testes de estresse e as exigências de levantamento de capital, mas acrescentou que esses vazamentos "parecem sempre ter ocorrido após" conversações com representantes do governo federal durante a crise.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise FinanceiraEstados UnidosBancos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.