Bolívia garante exportações de gás à Argentina no inverno

O ministro boliviano deHidrocarbonetos, Carlos Villegas, prometeu na sexta-feiramanter as exportações de gás natural à Argentina durante oinverno, quando há ameaça de escassez energética. Recentemente, o governo boliviano anunciou a intenção denegociar com Argentina e Brasil para garantir o fornecimento,já que não havia gás suficiente para atender a toda a demandadurante os meses de alto consumo. O presidente da Bolívia, Evo Morales, chega a Buenos Airespara uma visita no próximo dia 25. "Para o período em que há um aumento significativo dedemanda do gás natural, que é o inverno, é claro que garantimosplenamente o envio de gás à Argentina, de modo a contribuirpara que não existam problemas de nenhuma natureza nasociedade," afirmou Villegas. Segundo ele, a Bolívia nunca deixou de entregar à Argentina"a quantidade diária garantida" nos contratos de gás. Em meio a uma onda de forte crescimento econômico, aArgentina precisou suspender o fornecimento de gás ao setorindustrial durante o inverno passado para garantir oabastecimento das casas. Enquanto o governo prepara um plano de investimentospúblicos na produção energética, a chegada dos meses de frio oucalor acende um alarme no país. Os milionários investimentos no setor boliviano de gás nãolevarão a um aumento da oferta neste ano, que continua previstaem 42 milhões de metros cúbicos diários. No curto prazo, as autoridades bolivianas estabeleceramcomo prioridade a distribuição de cerca de 5 milhões de metroscúbicos diários no mercado interno e entre 26 e 32 milhões parao Brasil. O restante vai para a Argentina. Villegas disse que não tratou da questão do preço doscombustíveis, e afirmou que Morales se reunirá com a presidenteargentina, Cristina Kirchner, antes de assistir à licitação naArgentina para a compra dos tubos de um gasoduto binacional. A Argentina é o segundo maior cliente do gás boliviano.Ambos os países firmaram um contrato para aumentar ofornecimento para 27,7 milhões de metros cúbicos diários apartir de 2010. (Por Kevin Gray)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.