Bologna confia em aprovação da fusão com LAN

O presidente da TAM holding, Marco Antonio Bologna, diz estar confiante na aprovação da fusão com a chilena LAN. "Estamos confiantes na aprovação da fusão com a LAN pelo Tribunal de Defensa de la Libre Competencia (TDLC) e continuaremos empenhando todos os nossos esforços na criação da Latam, que será um dos maiores grupos de companhias aéreas do mundo, com inúmeros benefícios para nossos clientes e nossos países. Essa fusão é fruto de uma visão estratégica de que a consolidação da aviação comercial no mundo é inexorável", afirmou, por meio de comunicado. O TDLC é o órgão chileno de defesa da livre concorrência.

SILVANA MAUTONE, Agencia Estado

26 de maio de 2011 | 19h41

Bologna aventa a possibilidade de a TAM buscar uma nova parceria no caso de a fusão com a LAN ser negada. "Na hipótese - improvável, na nossa opinião - de a LAN vir a ser impedida de levar adiante a fusão, continuaremos fiéis à nossa visão e buscando essa consolidação do setor aéreo - que é, como disse, inexorável".

Na opinião do presidente da LAN, Enrique Cuerto, as mitigações propostas pela própria LAN devem ser suficientes para que seja concedido o sinal verde do TDLC para que a empresa possa se fundir com a TAM, conforme informações da agência Dow Jones. "As medidas de mitigação nos permitem corrigir qualquer problema que possa ser criado com a fusão em mercados relevantes e criará melhores condições de competição que beneficiarão os passageiros", disse o executivo na audiência pública sobre o caso, realizada nesta quinta-feira, em Santiago, pelo TDLC.

Cuerto reiterou que, apesar do atraso que a decisão do tribunal tem causado no processo de fusão, ele acredita que a aprovação será dada porque o mercado de aviação chileno é "aberto e competitivo". O TDLC suspendeu em janeiro o processo de fusão entre as duas empresas, a pedido da Corporación Nacional de Consumidores y Usuarios de Chile (Conadecus), entidade de defesa do consumidor.

Participaram hoje da audiência pública representantes da Conadecus, da LAN, da TAM, da LAN Cargo, da Aerolineas Pal, da Sky Airline e da Fiscalía Nacional Económica (FNE), entidade do governo chileno. A decisão do tribunal deve ser anunciada no prazo de 60 dias.

Segundo o jornal chileno Diario Financiero, entre as principais medidas de mitigação propostas pela LAN à FNE está a aceitação da entrada de um novo competidor para operar a rota entre Santiago e São Paulo. Além disso, os passageiros dessa nova empresa aérea poderiam acumular milhas da Latam, empresa que será criada caso a fusão da TAM e da LAN seja aprovada.

Outra medida é reduzir em cerca de 10% o yield (indicador de preço de tarifa) da rota entre Santiago e São Paulo. A oferta de mais voos entre as duas cidades é outro compromisso assumido, de forma a ampliar a oferta e, dessa forma, estimular a queda no preço das passagens.

Tudo o que sabemos sobre:
aviaçãofusãoTAMLAN

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.