Bolsas caem nos EUA abatidas por Microsoft e dados de emprego

As bolsas de valores dos Estados Unidos encerraram em queda nesta quinta-feira, pressionadas por resultados decepcionantes da Microsoft, enquanto indicadores econômicos mostravam uma maior deterioração do mercado de trabalho e imobiliário. As ações da Microsoft caíram quase 12 por cento durante a sessão, para o menor nível desde 1998, e estava entre as maiores perdas do dia. A companhia informou que deve cortar 5 por cento de sua força de trabalho nos próximos 18 meses. O bom momento para o setor de tecnologia foi abalado pela divulgação dos lucros de empresas antes da abertura dos mercados, em vez de serem divulgados após o fechamento de pregão. "Não há somente boas notícias. A Microsoft puxou nosso tapete", disse Joe Saluzzi, co-diretor da Themis Trading, em Nova Jersey. "Wall Street odeia surpresas, não gosta de surpresas como esta." Os índices norte-americanos reduziram perdas no final do pregão após comentários da Casa Branca de que está comprometida a elaborar rapidamente uma possibilidade de estímulo financeiro e que a administração do presidente Barack Obama fará de tudo para recuperar o crescimento e normalizar os mercados. O índice Dow Jones fechou em queda de 1,28 por cento, a 8.122 pontos, e o Standard & Poor's 500 perdeu 1,52 por cento, para 827 pontos. O termômetro tecnológico Nasdaq despencou 2,76 por cento, a 1.465 pontos. A economia dos EUA mostrou mais sinais de deterioração nesta quinta-feira à medida que os novos pedidos de auxílio-desemprego aumentaram além do esperado na última semana, crescendo para 589 mil, com ajuste sazonal, enquanto a construção de moradias caiu 15 por cento. (Por Chuck Mikolajczak)

REUTERS

22 de janeiro de 2009 | 20h18

Tudo o que sabemos sobre:
WALLSTFECHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.