Bolsas dos EUA recuam após Fed citar 'riscos' à economia

Os principais índices do mercado acionário norte-americano registraram baixa de mais de 2 por cento nesta quarta-feira, após o Federal Reserve afirmar que a economia enfrenta "riscos significativos de deterioração", mesmo tento tomado mais uma medida para impulsionar o crescimento.

CHUCK MIKOLAJCZAK, REUTERS

21 de setembro de 2011 | 18h23

O índice Dow Jones, referência da Bolsa de Nova York, recuou 2,49 por cento, para 11.124 pontos. O termômetro de tecnologia Nasdaq caiu 2,01 por cento, para 2.538 pontos. O índice Standard & Poor's 500 teve desvalorização de 2,94 por cento, para 1.166 pontos.

Conforme esperado, o Fed afirmou que comprará Treasuries de vencimento mais longo em um esforço para reduzir as taxas de empréstimos. Mas investidores temem que o último plano do Fed tenha pouco efeito em uma economia que parece estar estagnando.

O plano de 400 bilhões de dólares do Fed, batizado de "Operação Twist" por participantes do mercado, é o último de uma série de medidas cuja meta é reanimar uma economia, que tem se esforçado para se recuperar da crise financeira de 2008.

Investidores estão menos otimistas após esforços anteriores, particularmente por conta do próprio comunicado do Fed apontando para riscos econômicos.

"Provavelmente, a maior afirmação foi no momento em que ele disse 'riscos significativos de deterioração'", disse o diretor de mercado viva-voz da DME Securities, Alan Valdes, em Nova York.

O índice de transportes do Dow Jones, visto como um sinalizador da saúde econômica, recuou 5,3 por cento. A ação da Railroad Norfolk Southern despencou 8,3 por cento.

O Fed disse que vai lançar um novo programa de 400 bilhões de dólares para direcionar seu balanço de 2,85 trilhão de dólares mais fortemente a ativos de prazo mais longo --por meio da venda de papéis de prazo mais curto e da utilização do capital adquirido para comprar Treasuries de vencimento mais longo .

Tudo o que sabemos sobre:
WALLSTFECHAATUA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.