Bolsas norte-americanas sobrem com resultados corporativos

As principais bolsas dos Estados Unidos registraram seu melhor desempenho desde março nesta terça-feira, após a confiança de investidores aumentar com a divulgação de fortes resultados corporativos e a esperança renovada de um acordo sobre a dívida nos Estados Unidos.

ASHLEY LAU, REUTERS

19 de julho de 2011 | 18h17

O Dow Jones subiu 1,63 por cento, a 12.587 pontos. O Standard & Poor's 500 teve valorização de 1,63 por cento, a 1.326 pontos, enquanto que o Nasdaq teve alta de 2,22 por cento, a 2.826 pontos.

Os resultados trimestrais da IBM e da Coca-Cola levantaram as ações dos setores de tecnologia e de consumo na primeira semana com grande quantidade de balanços corporativos relativos ao segundo trimestre. O papel da IBM avançou 5,7 por cento, liderando os ganhos do Dow.

O Nasdaq teve valorização de mais de 2 por cento, ditada pelas grandes empresas de tecnologia, incluindo a Apple, cuja ação atingiu sua máxima em 52 semanas. O componente de tecnologia da informação do S&P foi o setor com melhor performance, cujo ganho ficou em 2,7 por cento.

Os mercados ganharam impulso perto do fim do dia, após o presidente norte-americano, Barack Obama, sugerir que estava tendo progresso em um acordo de 3,75 trilhões de dólares para reduzir a dívida do país, centrado em reformas tributárias.

A Casa Branca e o Congresso também precisam assinar um acordo que inclui a elevação do teto da dívida nacional até 2 de agosto ou os Estados Unidos podem entrar em default.

"As ações estão começando a se recuperar, pelo menos no momento, com as pessoas apostando que haverá uma resolução sobre o teto da dívida", disse Wayne Kaufman, analista-chefe de mercado na John Thomas Financial, em Nova York.

Todos os dez setores do S&P 500 avançaram nesta terça-feira, incluindo as ações do setor financeiro, que foram afetadas por declínios nos papéis do Goldman Sachs e do Bank of America após a divulgação de seus resultados.

(Reportagem adicional de Daniel Bases)

Tudo o que sabemos sobre:
WALLSTFECHAATUA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.