Bradesco deve inaugurar 175 novas agências em 2010

Segundo presidente do banco, do ponto de vista estratégico, o Bradesco dará prioridade ao crescimento orgânico

Altamiro Silva Júnior e Natália Gómez, da Agência Estado,

28 de julho de 2010 | 12h42

O Bradesco pretende inaugurar 175 novas agências em 2010, abaixo do planejamento inicial de 250 novas agências para o ano. Segundo o presidente executivo do banco, Luiz Carlos Trabuco Cappi, a meta deve ser atingida no primeiro trimestre de 2011.

Em teleconferência com a imprensa, o executivo afirmou que todos os 250 pontos já foram escolhidos e localizados pelo banco, mas apenas os 175 previstos para inauguração em 2010 estão em reforma e prestes a receber os equipamentos.

O banco fechou o segundo trimestre com um total 3.476 agências próprias, espalhadas por todo o Brasil. Em junho do ano passado, eram 3.406 unidades. O banco também informou ter 6.177 agências no Banco Postal, que são unidades dentro dos Correios. Os correspondentes, espalhados em farmácias, padarias, supermercados e promotores de vendas, ficaram em 23.933 unidades, com crescimento de 5,4 mil pontos em 12 meses.

Crescimento orgânico

Do ponto de vista estratégico, o Bradesco dará prioridade ao crescimento orgânico, destacou o presidente executivo. O executivo cita a grande mobilidade social em curso no País, que tem levado mais pessoas das classes D e E para a classe C e abre oportunidades para ganhar novos clientes e oferecer novos produtos financeiros.

"Temos tido crescimento da base de clientes graça a mais pessoas na classe. Este novo padrão econômico do Brasil determina ao banco nova gama de desafios", destacou. No banco, nos últimos anos, 2 milhões de correntistas migraram das classes D e E para a classe C, que agora responde por metade do total de clientes.

Como consequência das mudanças sociais e do novo cenário que a economia brasileira desenha, Trabuco cita que o banco mudou o primeiro escalão esta semana, com a criação do cargo de diretor executivo adjunto e a promoção de sete executivos. "Temos que reforçar equipe para ampliar nossa capacidade de competição em um mercado cada vez mais concorrencial", justificou o presidente do Bradesco.

Sobre o resultado do trimestre, Trabuco destaca que o lucro ultrapassou as expectativas dos analistas. A instituição anunciou lucro líquido de R$ 2,405 bilhões no segundo trimestre, 4,7% acima do ganho do mesmo período do ano passado e 4,8% acima das previsões dos analistas, de R$ 2,294 bilhões, segundo média das projeções de sete casas consultadas pela Agência Estado (Deutsche, BTG Pactual, UBS, Votorantim Corretora, HSBC, Barclays Capital e Santander).

O executivo destacou ainda a expansão da rede de atendimento. O banco fechou junho com 49,154 mil pontos de atendimento, entre agências, postos em empresas e correspondentes bancários, expansão de 20% em relação ao mesmo período de 2009. O aumento equivale a mais 9,151 mil pontos. Já o total de clientes com conta corrente cresceu em 1,5 milhão no mesmo período, para 21,9 milhões.

O executivo também destacou as operações de crédito para empresas. Entre elas, citou a linha Finame, com recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Foram 28 mil operações no primeiro semestre, com liberação de R$ 4,2 bilhões.

Tudo o que sabemos sobre:
BradescoTrabucoagências

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.