Estadão
Estadão

Bradesco e BB lançam Veloe, com objetivo de alcançar 1,5 milhões de veículos

Nova empresa vai operar no segmento de pedagiamento eletrônico e meios de pagamentos para mobilidade urbana no Brasil; bancos já investiram R$ 110 milhões na criação da empresa

Aline Bronzati, O Estado de S.Paulo

09 Maio 2018 | 17h25

O Banco do Brasil e o Bradesco lançaram hoje a Veloe, uma concorrente para o Sem Parar, e reiteraram a meta de alcançar 1,5 milhão de usuários entre pessoas físicas e jurídicas até 2020. A nova empresa, que atuará por meio da controlada Alelo, de benefícios corporativos, vai operar no segmento de pedagiamento eletrônico e meios de pagamentos para mobilidade urbana no Brasil.

+ Governo não tem dinheiro para reassumir rodovias, diz ministro dos Transportes

A criação da Veloe consumiu R$ 110 milhões em investimentos até o momento, segundo o presidente da Alelo, Raul Moreira. E, segundo ele, até 2020, quando a nova empresa deve atingir seu ponto de equilíbrio (breakeven), a expectativa é que os valores aportados alcancem R$ 300 milhões.

O investimento em lançar uma empresa do zero, conforme Moreira, foi menor do que fazer uma aquisição no mercado. O Itaú Unibanco, por exemplo, desembolsou R$ 170 milhões por 50% da ConectCar, em 2015. No entanto, conforme fontes, os sócios BB e Bradesco tentaram uma fatia na Sem Parar por meio do braço de adquirência, a Cielo.

A Veloe estará disponível a todos os consumidores de São Paulo e do Rio de Janeiro a partir de julho próximo. "Nosso foco é integrar os meios de transportes e de pagamentos. Iniciamos com um preço competitivo, mas não visamos a criar uma guerra de preços no segmento", disse ele, em coletiva de imprensa, nesta manhã, acrescentando que a marca nasce com as forças dos sócios, BB e Bradesco, e da expertise da Alelo, focada em benefícios corporativos.

+ Governo busca modelo para vender fatia em terminais concedidos

Os planos da Veloe vão custar entre R$ 4,90 e R$ 19,90. Na mira da nova empresa e seus acionistas, está um mercado de 4 milhões de usuários e um que movimentou 1,8 bilhão de transações em estradas e rodovias no ano passado.

A nova empresa vai concorrer com nomes tradicionais do segmento como Sem Parar, da FleetCor, Conect Car, sociedade do Itaú Unibanco com o grupo Ultra, e a Move Mais, da Bertin. "Em nenhum mercado entramos para sermos marginais. Vamos brigar pela liderança", afirmou o vice-presidente do Banco do Brasil, Marcelo Labuto.

A Veloe é a sétima empresa lançada nos últimos anos pelo Bradesco em sociedade com o BB e que estão num mesmo guarda-chuva, a Elopar. Como exemplos bem-sucedidos, os executivos citaram a bandeira de cartões Elo e o programa de fidelidade Livelo, cujo caixa soma R$ 1,4 bilhão, segundo o vice-presidente do Bradesco, Marcelo Noronha. O executivo disse ainda que os bancos vão usar os seus canais de distribuição, incluindo as agências, para ofertar a solução de pedagiamento eletrônico e de meios de pagamentos.

Num primeiro momento, a Veloe estará disponível para um grupo de clientes e convidados e uma rede de aceitação de 24 concessionárias, incluindo rodovias federais, e estacionamentos em shoppings. Além disso, a empresa já negocia parceiras com mais players como, por exemplo, com redes de postos de combustíveis. Um conjunto de marcas, conforme Moreira, da Alelo, deve ser lançado em breve.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.