Bradesco espera alta do crédito no 2º semestre

O Bradesco espera retomada de crescimento mais acelerado do crédito no segundo semestre, disse o diretor-executivo do banco, Luiz Carlos Angelotti. O executivo também destacou que deve haver uma melhora gradual das taxas de inadimplência nos próximos dois trimestres, por conta da queda da taxa básica de juros e maior dinamismo da economia.

ALTAMIRO SILVA JÚNIOR E ALINE BRONZATI, Agencia Estado

23 de julho de 2012 | 12h33

Mesmo com um crescimento mais robusto no segundo semestre, o desempenho geral da carteira em 2012 vai ficar abaixo do que o Bradesco esperava no início do ano. Por isso, o banco reduziu suas estimativas de crédito para 2012, de um intervalo de 18% a 22% para 14% a 18%.

O presidente do banco, Luiz Carlos Trabuco Cappi, também disse que manter um retorno sobre o patrimônio na casa dos 20% nos próximos anos é sustentável para o Bradesco. Trabuco destaca que o banco tem conseguido manter as despesas sob controle, mesmo com a abertura de mais de mil agência no segundo semestre do ano passado.

Sobre os spreads (a diferença entre a taxa que o banco paga para captar recursos e a que ele empresta aos clientes), Trabuco disse que em determinadas linhas de negócios, como crédito a empresas, eles já estão em níveis adequados, mas em outras o spread pode cair.

"Temos uma visão que a redução (dos spreads) é continua e nos próximos dois a três anos vamos ver transformação muito grande", afirmou o presidente do Bradesco. "Essa é uma demanda da sociedade, das pessoas, das empresas", ressaltou na teleconferência. Para Trabuco, as taxas de juros mais baixas vieram para ficar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.