Bradesco tem lucro líquido de R$ 2,949 bi no 2.º trimestre

Resultado representa alta de 4,1% em relação ao mesmo período de 2012; ante três meses anteriores, elevação foi de 1,0%

Aline Bronzati, da Agência Estado,

22 de julho de 2013 | 07h25

SÃO PAULO - O Bradesco, primeiro grande banco privado a divulgar resultados referentes ao 2.º trimestre deste ano, anunciou lucro líquido contábil de R$ 2,949 bilhões - aumento de 4,1% na comparação com o resultado entre abril e junho de 2012, de R$ 2,833 bilhões. Em relação ao trimestre imediatamente anterior, a expansão foi de 1,0%.

De janeiro a junho, o lucro líquido do banco foi de R$ 5,868 bilhões, crescimento de 4,3% ante o mesmo período de 2012. O retorno anualizado sobre o patrimônio líquido médio do Bradesco encerrou junho em 18,8% contra 20,6% visto no segundo trimestre de 2012. Na comparação com o primeiro trimestre deste ano, a queda foi de 0,7 ponto porcentual.

Os ativos totais do banco alcançaram R$ 896,697 bilhões ao término do segundo trimestre deste ano, alta de 8,0% em um ano e de 0,2% na comparação trimestral. O banco fechou junho último com patrimônio líquido de R$ 66,028 bilhões, elevação de 3,3% em relação ao mesmo mês de 2012, porém, 4,9% menor que o volume visto no primeiro trimestre deste ano.

Participação do crédito. A participação das operações de crédito no resultado do Bradesco anunciado nesta segunda subiu 1,0 ponto porcentual ante os três meses anteriores, totalizando 28%. Com isso, a fatia correspondente a atividades financeiras também aumentou, passando de 68% de janeiro a março para 69% de abril a junho.

A carteira de crédito expandida do banco, que inclui avais e fianças, totalizou R$ 402,517 bilhões no segundo trimestre, expansão de 2,8% em relação ao primeiro trimestre deste ano. Na comparação com o mesmo período de 2012, foi registrado aumento de 10,3%.

De abril a junho de 2013, o destaque na carteira de crédito do Bradesco foi o avanço das operações de pessoas físicas, que avançaram 3,6% no segundo trimestre ante o primeiro, totalizando R$ 123,562 bilhões. Em um ano, a alta foi de 10,1%. Já na pessoa jurídica, o crescimento foi de 2,4% e 10,4%, respectivamente.

Em contrapartida, a contribuição das atividades de seguros recuou de 32% para 31%, conforme destaca o banco em apresentação para a imprensa, disponível no site da instituição.

Inadimplência. A taxa de inadimplência do banco, considerando os atrasos acima de 90 dias, teve retração de 0,3 ponto porcentual no segundo trimestre de 2013, para 3,7% em relação aos três meses anteriores. Na comparação com o mesmo intervalo de 2012, foi vista retração de 0,5 ponto. Trata-se da segunda queda consecutiva no número de calotes.

Despesas. As despesas pessoais e administrativas do Bradesco atingiram R$ 6,769 bilhões no segundo trimestre de 2013, aumento de 4,3% na comparação com a cifra vista em um ano, de R$ 6,488 bilhões. Em relação ao trimestre imediatamente anterior, foi registrado crescimento de 3,9%. Apesar disso, o lucro contábil do banco subiu 4,1% no período ante 12 meses, para R$ 2,949 bilhões.

Lucro ajustado. O Bradesco também anunciou hoje lucro ajustado de R$ 2,978 bilhões de abril a junho de 2013, aumento de 3,9% ante resultado apresentado em igual intervalo do exercício passado. No semestre, o lucro foi de R$ 5,921 bilhões, crescimento de 3,65%, na mesma base de comparação.

A diferença em relação ao ganho contábil se deve a eventos extraordinários como provisões cíveis e efeitos fiscais.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Brasdescobancos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.