Soraya Ursine/Estadão
Soraya Ursine/Estadão

Brasil começa o festival Cannes Lions de 2022 com 13 Leões, incluindo um de ouro

Melhor desempenho, até o momento, foi da agência Africa, com uma campanha voltada à questão do meio ambiente, que ganhou 3 Leões na categoria Outdoor (mídia externa)

Fernando Scheller, O Estado de S.Paulo

20 de junho de 2022 | 16h00

CANNES – O primeiro dia do Cannes Lions – Festival Internacional de Criatividade começou com uma participação ainda discreta do Brasil nas premiações. Na revelação dos vencedores das primeiras seis categorias de premiação, agências e anunciantes brasileiros reuniram 13 Leões. O desempenho mais forte, até o momento, foi da agência Africa, que conquistou um ouro, uma prata e um bronze na categoria Outdoor.

As agências brasileiras chegaram a Cannes com força em 2022: o número de inscrições, de cerca de 2 mil peças publicitárias, representou um salto de 31% em relação à edição do ano passado do festival, que foi realizada de forma totalmente online.

O Brasil, conforme destacou o festival Cannes Lions na semana passada, é tradicionalmente o terceiro país mais premiado do evento, atrás de Estados Unidos e Inglaterra. 

O “pódio” de premiações é refletido também no número de inscrições. O Estadão é o representante oficial do evento no País.

O Leão de Ouro

Na categoria Outdoor Lions, voltada para as ações em mídia impressa, o Leão de Ouro foi para uma campanha desenvolvida pela agência Africa para a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib).

Em uma iniciativa voltada ao meio ambiente, a agência Africa, que no ano passado ganhou um Grand Prix com um trabalho que chamava a atenção para o aquecimento global, criou uma peça em que um grupo de ativistas indígenas vai até a Embaixada da Noruega, em Brasília, para buscar o status de refugiado para a árvore jatobá.

A lógica por trás do pedido é a seguinte: toda espécie que se vê com seu meio de vida ameaçado em seu local de origem pode solicitar o status de refugiado. Com o forte aumento da destruição da floresta amazônica nos últimos anos, a Apib busca trazer visibilidade para o problema. Já a escolha da Noruega como destino vem do fato de que o país foi o primeiro do mundo a banir a destruição de florestas nativas – uma situação bem diferente da vista no Brasil atualmente.

Só em janeiro de 2022, por exemplo, foram destruídos 430 km² de florestas na Amazônia. Esse número representa uma alta de mais de 200% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Como as categorias de Cannes Lions são divididas em subcategorias, a campanha da Africa para a Apib ganhou mais dois Leões, um de Prata e outro de Bronze. A mesma agência ainda trouxe para casa outro bronze na categoria voltada à mídia externa, com uma peça criada para a Budweiser.

Outras categorias

Em Print & Publishing, premiação voltada à mídia impressa, o Brasil trouxe 3 Leões para casa: um de Prata, para uma ação da Gut desenvoldia para o Mercado Livre; um de Bronze para Talent Marcel e revista Go Outside e outro de Bronze para a VMLY&R e o site Athos, voltado à comunidade LGBT+. Em Radio & Audio, o País levou dois Leões, ambos de Bronze: Gut/Mercado Livre e VMLY&R/Greenpeace.

Na área de Health & Wellness (saúde e bem-estar), foram quatro prêmios: um de prata, para a VMLY&R em uma ação da empresa de roupas Amaro. E três bronzes: AlmapBBDO para Bayer, Wunderman Thompson para Johnson & Johnson e Dark Kitchen Creatives para Unilever.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.