Brasil decide apoiar Christine Lagarde para FMI, diz Mantega

Para o ministro da Fazenda, o processo de deliberação foi muito curto, impossibilitando uma discussão e um aprofundamento maior da posição brasileira

Eduardo Rodrigues, da Agência Estado,

28 de junho de 2011 | 13h41

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, declarou hoje o apoio formal do Brasil à candidatura de Christine Lagarde ao cargo de diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI). Para o ministro, porém, o processo de deliberação foi muito curto, impossibilitando uma discussão e um aprofundamento maior da posição brasileira. "Esperamos que o processo seja mais demorado na próxima eleição", disse Mantega.

Segundo ele, a escolha brasileira se deveu à experiência, ao currículo e ao conhecimento das questões mundiais de Lagarde, mas sobretudo pelo comprometimento da ministra francesa em continuar com as reformas e a modernização do FMI. "Essa reforma inclui continuar a aumentar a posição dos países emergentes, que hoje têm mais voz e mais votos nas decisões do fundo", afirmou.

Para Mantega, a escolha de Lagarde não significa a escolha de uma candidatura europeia. "É por mérito", disse o ministro. Segundo ele, é preciso se desfazer um "velho acordo", que vem desde a década de 1940, de que sempre um europeu dirige o FMI e um americano comanda o Banco Mundial. "O (ex-diretor) Strauss Kahn já era um europeu que teve comportamento global. Queremos que na próxima eleição não venham com essa história. Pode até ser um europeu, mas tem que haver competência", acrescentou.

Para Mantega, Lagarde, se eleita, não deverá olhar apenas para a crise europeia, mas também para os outros países.

O ministro afirmou que a decisão brasileira foi conversada com outros países, como África do Sul, Argentina e Rússia. Ontem a China já havia anunciado apoio a Lagarde. "Buscamos formar um consenso sobre o que queremos para o FMI. Não só no sentido de fiscalizar os países emergentes, mas fiscalizar mais os países avançados, que têm causado crises econômicas", afirmou.

Além disso, segundo Mantega, o Brasil deseja aumentar a participação dos emergentes nas diretorias do fundo. Outra reivindicação é de que não haja restrições ao controle de capitais. Para o ministro, o FMI precisa continuar atuando em sintonia com o G-20 (grupo das 20 maiores economias do mundo) que, segundo Mantega, é o principal órgão de coordenação da economia mundial.

O prazo para que os países se posicionem em relação às candidaturas ao FMI se encerra na quinta-feira, dia 30. Além do Brasil e a China declararem apoio a Lagarde, Canadá e Austrália manifestaram apoio ao presidente do Banco Central mexicano, Agustín Carstens.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.