Brasil deve exportar 1,87 bilhão de álcool, aponta Datagro

São Paulo, 15 - As exportações brasileiras de álcool devem atingir, na safra 2004/05, o recorde de 1,87 bilhão de litros, estima Plínio Nastari, da consultoria Datagro, especializada no setor sucroalcooleiro. O volume é 370 milhões de litros superior à estimativa anterior, de 1,5 bilhão de litros. "A demanda por álcool brasileiro no mercado internacional continua expressiva e o Brasil está conseguindo suprir esta demanda", disse. Apenas em agosto, as exportações de álcool atingiram 262,7 milhões de litros. Segundo ele, a expectativa era de que as vendas iriam recuar no segundo semestre de forma significativa. "As vendas devem recuar mas em patamares menores que o esperado", acredita. Nastari diz, contudo, que o governo e os consumidores não precisam se preocupar porque não haverá problema de desabastecimento mesmo com as exportações ficando acima do esperado inicialmente. A Datagro estima que os estoques de passagem de álcool fique em 1 bilhão de litros em primeiro de maio de 2005, consumo suficiente para 1 mês. Hoje, o ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, irá se reunir, às 11 horas, em Brasília, com as principais lideranças do setor sucroalcooleiro para cobrar compromisso de abastecimento do álcool combustível no Brasil e para as exportações. Para o analista, isto não será necessário porque haverá álcool disponível para exportar e para abastecer o mercado interno. Nastari alerta, contudo, que os preços deverão sofrer um processo de recuperação voltando para patamares de 1,5 a 2 anos atrás. "O álcool anidro poderá atingir R$ 1 por litro mas o hidratado continuará com preços nos níveis atuais", disse. Segundo ele, o governo e o mercado em geral não estão dando atenção a um fato importante: o aumento da oferta de ATR que está sendo registrado no Nordeste. "Em duas safras, eles aumentaram a oferta de sacarose 37%, o que é um volume bastante expressivo", disse. Para o consultor, isto revela que, com preços remuneradores, o produtor do Nordeste volta a investir em sua safra. Outro fato importante em relação ao Nordeste é sua vocação exportadora. "Na safra 2004/05, 52% de todo açúcar e álcool produzido vai ser exportado", disse Nastari. Na safra passada, o Nordeste respondeu por 11% das exportações de álcool do país, o que é uma participação considerável em termos relativos. "O setor já está investindo na ampliação do porto de Suape", informa, "na expectativa de exportar ainda mais". Mesmo no açúcar, o Nordeste está ampliando sua participação. Por exemplo, nesta safra 2004/05, de maio a agosto, as exportações brasileiras de açúcar cresceram, de 5,181 milhões de t em 2003/04 para 5,225 milhões de t. Porém, este crescimento não veio do Centro-Sul, onde as exportações caíram no período de 4,950 milhões de t para 4,850 milhões de t. No Nordeste, as vendas externas pularam de 231 mil de t para 375 mil t. (segue)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.