Brasil deve superar China na produção de frango em 2008--Abef

O Brasil deverá terminar 2008 com umaprodução de carne de frango superior à da China, assumindoassim a condição de segundo maior produtor mundial atrás dosEstados Unidos, avaliou o presidente da Associação Brasileirados Produtores e Exportadores de Frangos (Abef). Segundo a Abef, isso deverá ocorrer porque a produção defrangos da China está praticamente estagnada, enquanto aindústria do Brasil, mais competitiva que a de outras naçõesnum momento de preços altos do milho, consegue ampliar suasatividades tanto para atender às crescentes demandas interna eexterna -- incluindo da própria China. O Brasil já é o primeiro exportador mundial de carne defrango. "O setor respondeu muito bem à alta dos insumos,especialmente milho e soja. A queda do dólar (frente o real)também complica muito a nossa vida, mas o fato positivo é ademanda. O produto brasileiro consolidou uma imagem deexcelência no exterior, enquanto outros países perderamcompetitividade", afirmou o presidente da Abef, FranciscoTurra, em entrevista à Reuters. Turra, ex-ministro da Agricultura, referiu-se àsdificuldades enfrentadas pela indústria avícola dos EstadosUnidos pelo crescente uso do milho na produção de etanol -- omilho é o principal insumo da avicultura. Ele disse também que a China, embora grande produtora demilho, também sofre devido à alta dos preços, além de terproblemas de terras e água disponíveis para ampliar suaprodução. "A China praticamente vem parando de crescer em produção,produz 12 milhões de toneladas ao ano (de carne de frango). Dojeito que está, podemos chegar ao final do ano em segundo lugarna produção de frango, passando a China. Acho que o Brasil podeterminar o ano com 12,5 milhões de toneladas", afirmou Turra. Segundo ele, a indústria brasileira sofre menos do queoutros países com a alta dos insumos, porque o país conta comum excedente na produção de milho e terá até cerca de 10milhões de toneladas do grão para exportar neste ano. "Aqui fazemos álcool da cana, e mesmo o biodiesel de sojaresulta em farelo para ser utilizado como ração", declarou. Segundo a Abef, o Brasil deverá ampliar em mais de 20 porcento sua produção de carne de frango neste ano, em relação às10,2 milhões de toneladas produzidas em 2007, um crescimentoque ainda deixará o país distante das 16 milhões de toneladasproduzidas anualmente pelos EUA. Além de contar com um consumo interno consistente, aindústria brasileira também prevê exportar cerca de 800 miltoneladas de carne a mais em 2008, na comparação com 2007, comos embarques ficando próximos de 4 milhões de toneladas egerando uma receita de 6,5 bilhões de dólares, alta de 1,5bilhão de dólares em relação a 2007. ABERTURA DA CHINA, MAIOR CONSUMO DE MILHO Se a China está com dificuldades de ampliar a produção decarne de frango, o Brasil está pronto para iniciar vendasdiretas ao mercado chinês, disse o presidente da Abef. Atualmente, o Brasil exporta para a China apenas via HongKong (200 mil toneladas no primeiro semestre), e os governosdos dois países estão costurando um acordo para que osbrasileiros possam exportar diretamente. "A produção estacionária é o motivo principal de elesacelerarem o processo de habilitação das plantas e de aberturapara nós", destacou Turra, lembrando que falta apenas "umpequeno detalhe" para os chineses autorizarem exportações. "Eles estão exigindo uma contrapartida, que abramos para aimportação de peito cozido da China. Mas isso é quase proforma, eles hoje não têm excedente para exportar ao Brasil",acrescentou o executivo, observando que a decisão pode sair noinício de setembro. Não haveria problemas para o início dos embarques na medidaem que os chineses já habilitaram 24 unidades no Brasil. O presidente da Abef disse ainda que, se o setor mantiveressa tendência de crescimento, apenas a avicultura vai consumir35 milhões de toneladas de milho no ano que vem, contra 27milhões projetadas para este ano.

ROBERTO SAMORA, REUTERS

15 de julho de 2008 | 17h02

Mais conteúdo sobre:
COMMODSFRANGOABEFMILHO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.