Getty Images
Getty Images

Brasil é a única filial da espanhola Telefónica a ter queda na receita

Desvalorização do real fez com que a controladora da Vivo tivesse um recuo nominal de 5,5% nas receitas entre julho e setembro

Fernando Nakagawa, correspondente , O Estado de S. Paulo

06 de novembro de 2015 | 08h45

LONDRES - A subsidiária brasileira da operadora espanhola Telefónica foi a única que registrou queda das receitas no balanço do terceiro trimestre divulgado nesta sexta-feira. A desvalorização do real fez com que a controladora da Vivo no Brasil registrasse queda nominal (sem considerar os efeitos da inflação) de 5,5% nas receitas entre julho e setembro deste ano na comparação com igual período de 2014.

"A depreciação da maioria das moedas latino-americanas frente ao euro, especialmente a do real brasileiro, do bolívar venezuelano e do peso colombiano, impacta negativamente a evolução interanual dos resultados do terceiro trimestre", diz a companhia no balanço.

De acordo com o balanço divulgado nesta sexta-feira, a Telefônica Brasil registrou receitas de € 2,736 bilhões nos três meses até setembro. O valor do faturamento é o segundo maior entre as subsidiárias da companhia e ficou atrás apenas da sede espanhola, onde as receitas alcançaram € 2,998 bilhões no período. 

Na Espanha, porém, o volume teve crescimento nominal de 0,2%. Na Alemanha, as receitas aumentaram 62,4% e nas demais operações da América Latina, avançaram 8,9%.

Sem o efeito da desvalorização da moeda brasileira, o resultado teria sido melhor. Segundo a companhia, o real estável faria com que as receitas brasileiras tivessem, ao contrário, aumentado 5,2% no trimestre. 

As receitas da Telefônica Brasil e outras subsidiárias fora da zona do euro são convertidas para euros na consolidação do resultado da empresa, que divulga os resultados na moeda europeia. No balanço, a Telefónica usa taxa de câmbio de R$ 3,485 por euro entre janeiro e setembro de 2015. Em igual período do ano passado, a taxa era de R$ 3,097.

A queda de margens operacionais em mercados estratégicos levou a empresa espanhola a registrar queda anual de 1,9% no lucro do terceiro trimestre. A companhia de telecomunicações espanhola teve lucro líquido de € 884 milhões (US$ 961,17 milhões) entre julho e setembro, ante ganho de € 900 milhões em igual período de 2014.

O resultado veio abaixo da expectativa de oito analistas consultados pela FactSet, que previam lucro de € 1,05 bilhão no último trimestre.

Tudo o que sabemos sobre:
telefonicavivo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.