Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Brasil Ecodiesel faz acordo com grupo Vanguarda

Depois de incorporar o Grupo Maeda à estrutura da Brasil Ecodiesel, o investidor Enrique Bañuelos anuncia agora a fusão com outra produtora de soja e algodão, a empresa Vanguarda, do empresário e político mato-grossense Otaviano Pivetta.

AE, Agencia Estado

20 de abril de 2011 | 14h45

O negócio, feito por meio da empresa de investimentos Veremonte, integra os planos do espanhol de construir uma gigante do agronegócio brasileiro, nos moldes do que ele já fez no mercado imobiliário. O acordo envolveu R$ 600 milhões e troca de ações. Com 230 mil hectares, 150 colheitadeiras próprias e três aviões, a Vanguarda foi oferecida a Bañuelos por R$ 1,2 bilhão.

Sem ter como adquirir 100% da companhia, com atuação em Mato Grosso e no oeste da Bahia, o fundo Veremonte propôs a compra de 50% da empresa. Com isso, a Vanguarda passou a ter dois acionistas - o fundo e o fundador Otaviano Pivetta. Por fim, os dois entraram em acordo para que todas as ações da empresa fossem incorporadas à Brasil Ecodiesel.

O negócio tornou Pivetta o principal acionista da produtora de biodiesel, com 30% de participação. Natural do Rio Grande do Sul, ele começou a plantar soja no cerrado no início da década de 80. Desde os 37 anos, tocou a empresa em paralelo com a carreira política: foi prefeito de Lucas do Rio Verde por duas vezes, deputado estadual

e, no ano passado, candidatou-se a vice-governador de Mato Grosso na chapa do empresário Mauro Mendes, que acabou derrotado nas urnas. Após a fusão, a Veremonte passa a ter 22% da Brasil Ecodiesel e o Grupo Maeda, 15%. Ainda assim, a companhia continua sendo uma "corporation" - ou seja, sem controlador.

A fusão com a Vanguarda faz parte da mesma estratégia que levou a Brasil Ecodiesel a incorporar o Grupo Maeda em dezembro do ano passado. "Até então, a Brasil Ecodiesel estava espremida entre dois mundos complicados: dependia das commodities e da Petrobras (que é quem compra o combustível por meio de leilão)", explica o executivo-chefe da Veremonte do Brasil, Marcelo Paracchini.

Com o negócio, a companhia deixa definitivamente de ser apenas uma produtora de energia renovável e passa a atuar também nos segmentos de commodities agrícolas e alimentos. "Faz todo o sentido para a gente, num momento em que a soja deve ter alta de mais de 30% este ano e o algodão está com o preço mais alto dos últimos 140 anos".

Com a Vanguarda, o valor de mercado da Brasil Ecodiesel passa de R$ 960 milhões para R$ 2,1 bilhões, com 330 mil hectares plantados. "É um negócio ainda maior que o firmado com a Maeda porque, além de ter uma área maior, a empresa tem equipamentos próprios", afirma Paracchini.

O executivo diz acreditar que a operação seja concluída dentro de 40 dias, incluindo realização de auditorias e aprovação na assembleia de acionistas. Dois comitês foram instaurados para tratar da negociação com os minoritários, que somam mais de 25 mil acionistas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.