Brasil facilita para importação de trigo da Rússia

Brasília, 17 - O governo brasileiro vai fixar normas mais brandas para a importação de trigo da Rússia. O texto definitivo da instrução normativa com as regras para importação foi remetido pelo Ministério da Agricultura ao governo de Moscou ontem, 16. "Do ponto de vista técnico, poderíamos exigir as duas fumigações nas cargas, como estávamos imaginando inicialmente, mas decidimos por regras mais brandas", afirmou há pouco o assessor para assuntos internacionais do Departamento de Defesa e Inspeção Vegetal do ministério, Gilson Cosenza. Ele negou que o abrandamento das normas para importação de trigo esteja relacionado à venda de carne do Brasil para a Rússia. Hoje, pela segunda vez no ano, Moscou suspendeu as importações de carne do Brasil, como resposta ao registro de um novo foco de febre aftosa no rebanho do Amazonas. O foco, registrado no município de Careiro da Várzea, não está em região autorizada para exportação. Gilson Cosenza disse que os russos reclamaram que o Brasil estava exigindo muitas fumigações para compra de trigo da Rússia. "Nós chegamos a conclusão que eles tinham razão. Uma única pulverização permitirá que a Rússia venda trigo para o Brasil. Duas pulverizações custavam muito e inviabilizam a venda", avaliou. Pelo texto definitivo da instrução normativa remetida a Moscou ontem, os carregamentos de trigo russo destinado ao Brasil terão que passar por um processo de fumigação ao chegar aos portos brasileiros. A pulverização terá que ser feita com "brometo de metila", substância química capaz de acabar com pragas quarentenárias, não existentes no Brasil, mas que são encontradas com frequência nas lavouras da Rússia. A instrução normativa definitiva também proíbe o desembarque dos lotes em portos de Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul. A medida visa proteger a produção nacional, explicou Cosenza. A intenção inicial do governo era exigir dos russos uma outra fumigação, desta vez nos portos da Rússia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.