Pixabay
Pixabay

Brasil terá 'seguro' contra ciberbullying

Produto deve chegar embarcado em seguros de vida, automotivo e residencial

O Estado de S.Paulo

29 Setembro 2017 | 19h49

SÃO PAULO - Seguradoras começam nas próximas semanas a vender no Brasil apólices que incluem serviços de assistência contra riscos cibernéticos como os oriundos de ofensas na internet, o chamado ciberbullying. O produto deve chegar embarcado em seguros como de vida, automotivo e residencial, inicialmente vendidos por seguradoras internacionais como a Zurich e a Allianz, repetindo uma combinação que já oferecem na Europa.

+ O cenário do mercado de seguros no Brasil

O serviço envolve o cadastramento de dados do cliente numa plataforma digital, que a partir de então passa a monitorar de forma ininterrupta a veiculação de informações do assistido na internet, incluindo redes sociais.

“Quando a ferramenta encontra alguma menção à pessoa, o sistema automaticamente emite um alerta”, disse Mário de Almeida, gerente de marketing da Mondial Assistance, empresa que prestará o serviço no país.

A assistência inclui orientação para o segurado resolver o problema por conta própria e recomendações sobre assessoria jurídica. Segundo ele, o público-alvo do produto será inicialmente o familiar, em decorrência da crescente preocupação de pais para proteger seus filhos contra ofensas como humilhação, ameaças e difamação. O serviço também mira pessoas públicas como artistas, atletas e autoridades. 

+ Leia mais notícias de Economia

Pacote. A proteção contra bullying online é parte de um pacote de serviços de assistência como proteção em tempo real contra invasões virtuais, recuperação de dados de equipamentos como notebooks, HD e pendrives, e auxílio para proteção contra fraudes financeiras, incluindo acionamento de bancos, órgãos de defesa do consumidor e defensoria pública.

Segundo Almeida, a Mondial avalia num segundo momento vender esse tipo de assistência separadamente. Por ora, no entanto, o foco é embarcar o produto em apólices de mais seguradoras locais. / Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.