Brasil vai ganhar mais três montadoras

A japonesa Suzuki, a chinesa Haima e a nacional Rossin-Bertin terão unidades no País

Cleide Silva, de O Estado de S. Paulo,

26 de outubro de 2010 | 22h30

De carros baratos chineses a brasileiros superesportivos, passando por um jipe compacto, o Brasil terá mais três montadoras nos próximos três anos. A japonesa Suzuki é uma delas: vai produzir localmente o pequeno jipe Jimny, hoje importado por R$ 55 mil.

A chinesa Haima, que inicia importação em 2011, vai investir R$ 200 milhões para a montagem de automóveis compactos, inicialmente com peças (CKD) trazidas da China, e o grupo Platinuss, importador de veículos de alto luxo, fará o primeiro superesportivo nacional, batizado de Rossin-Bertin, que será vendido a R$ 700 mil.

A pequena linha de montagem do Rossin-Bertin – sobrenomes de seus criadores: Fahres Rossin, ex-engenheiro da GM, e o herdeiro do grupo Bertin, Natalino Bertin Jr. – receberá inicialmente investimentos de R$ 65 milhões em uma linha de montagem em Blumenau (SC). A fábrica entra em operação em 2012, com produção inicial de 50 unidades ao ano, com previsão de atingir 300 até 2017.

"É um modelo com identidade própria, não se inspira em nenhum outro esportivo", diz Rossin. Duas unidades do modelo foram apresentadas ontem no Salão do Automóvel, em São Paulo – que abre as portas hoje para o público –, mas a versão final só ficará pronta em um ano. "Queremos criar um ícone brasileiro", afirma Bertin, que é responsável no Brasil pela importação de modelos como o Pagani Zonda R, carro de corrida que será vendido a R$ 10 milhões, e o Koenigsegg CCXR, cotado a R$ 6 milhões.

A fábrica da Suzuki ainda não tem local definido e nem valores de investimentos. "O projeto foi aprovado há duas semanas e ainda estamos definindo os detalhes", diz o presidente da marca, Luiz Rosenfeld. Segundo ele, a produção inicial será de 3 mil unidades ao ano. O Brasil, quarto maior mercado mundial de veículos, já abriga 19 fabricantes de automóveis, utilitários, caminhões e ônibus. Duas novas marcas anunciaram fábricas aqui recentemente: a coreana Hyundai e a chinesa Chery.

Chineses

A Haima, marca chinesa representada pelo grupo Districar, tem planos de iniciar montagem de um sedã e um utilitário em 2013. "A primeira fase prevê produção de 30 mil a 50 mil unidades anuais", diz Abdul Majid Ibraimo, presidente da empresa. A estreia da marca no Brasil, porém, não foi das melhores. Os carros trazidos da China para o Salão ficaram retidos no porto de Vitória por problemas de documentação, e o estande ficou vazio nos dois dias dedicados à apresentação do evento à imprensa. A previsão era de que os carros chegassem hoje.

As nove marcas chinesas que participam do salão projetam vendas de 146 mil veículos em 2011, num mercado que, pelas previsões dos fabricantes, deverá consumir perto de 3,6 milhões de unidades. Para mostrar sua intenção de fixar raízes no País, o presidente da Chery, Luis Curi, informa que a empresa terá um centro de desenvolvimento local. A fábrica que será construída em Jacareí (SP) vai produzir cerca de 150 mil unidades ao ano.

Embora não tenha planos de uma fábrica no curto prazo, o grupo Effa, importador da marca Lifan, também firmou parceria com a fabricante chinesa para montar um centro de desenvolvimento no Brasil que fará projetos para serem distribuídos pela fabricante na América do Sul. "Vamos ter uma equipe de engenheiros locais para desenvolver projetos, incluindo de modelos híbridos e elétricos", explica Eduardo Effa.

Na terça-feira, porém, a Effa sofreu um pequeno revés no País: o Ministério da Justiça determinou que a empresa faça recall dos modelos M100, substituindo os cintos de segurança traseiros por cintos de três pontos, como exige a norma local.

Tudo o que sabemos sobre:
fábricacarrosmontadoras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.