Braskem desiste de atuar em PET e faz provisão de R$125 mi

A Braskem informou nesta segunda-feira que vai encerrar definitivamente sua atuação na resina PET, usada, por exemplo, em garrafas plásticas de refrigerante. A decisão se dá um ano e meio depois da suspensão temporária da produção de polietileno tereftalato (PET), junto à desativação da unidade de dimetiltereftalato (DMT), ambos da cadeia de poliéster. Segundo comunicado da empresa, quando suspendeu a produção, em maio de 2007, a Braskem iniciou estudos para uma eventual retomada a partir de uma tecnologia que garantisse custos competitivos. Os estudos, entretanto, "demonstraram a inviabilidade da reativação da produção de PET em bases competitivas", acrescentou. A decisão, de acordo com o comunicado, vai implicar em uma provisão contábil sem efeito caixa de 125 milhões de reais. A desativação da unidade, instalada em Camaçari (BA), não implicará em demissões. O fornecimento da resina, assim como a assistência técnica e a mesma política comercial, estão garantidos até abril de 2009 por meio de um contrato firmado com a M&G Polímeros Brasil, disse a Braskem.

REUTERS

29 Dezembro 2008 | 18h32

Mais conteúdo sobre:
EMPRESAS BRASKEM PET*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.