Braskem investe em diferentes tecnologias de reciclagem
Conteúdo Patrocinado

Braskem investe em diferentes tecnologias de reciclagem

Complementar à reciclagem mecânica, a reciclagem avançada utiliza processos químicos para a transformação de resíduos plásticos pós-consumo em matéria-prima circular

Braskem, Estadão Blue Studio
Conteúdo de responsabilidade do anunciante

21 de junho de 2022 | 09h00

Alinhada aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU), a Braskem assumiu uma série de compromissos para 2030 e 2050. Parte importante desses compromissos está voltada ao desenvolvimento e incentivo da economia circular, com metas ligadas à eliminação de resíduos plásticos e à neutralidade de carbono. 

A Braskem deseja ampliar a produção de produtos com conteúdo reciclado, alcançando 300 mil toneladas até 2025 e 1 milhão de toneladas até 2030. Para impulsionar o processo, a empresa tem investido em diversas iniciativas e tipos de reciclagem de resíduos plásticos. A mais conhecida é a reciclagem mecânica, que consiste na trituração das embalagens em fragmentos menores, conhecidos como flakes (palavra em inglês que significa “flocos”), que depois são lavados. Em seguida, depois de passar por um processo de extrusão, o material dá origem aos pellets, pequenas esferas de resinas termoplásticas que serão aquecidas, moldadas e transformadas em novos produtos do nosso cotidiano.

Recentemente, a Braskem e a Valoren anunciaram a construção de uma planta voltada a outro tipo de reciclagem de resíduos plásticos, conhecida no mercado como reciclagem avançada. Nessa tecnologia, assim como em outros processos de reciclagem, tudo começa com o descarte adequado, momento em que o consumidor é fundamental. A partir daí ocorrem as etapas de coleta, separação e lavagem, preparando os resíduos para os próximos passos. Dando sequência ao processo, com o uso do calor, esses materiais são despolimerizados, ou seja, as moléculas são quebradas em outras mais simples com a mesma fórmula molecular e darão origem a matéria-prima circular certificada, que será transformada em novos plásticos ou químicos.

Métodos complementares

Com sede em Indaiatuba (SP), a unidade de reciclagem avançada funcionará de forma complementar à unidade de reciclagem mecânica já existente no local e inaugurada em março deste ano. Além de ser conhecida pela sua abrangência, uma vez que permite o reaproveitamento de plásticos mais difíceis de reciclar mecanicamente, a técnica proporciona uma maior diversidade e aplicabilidade dos produtos reciclados. “A matéria-prima circular certificada, resultado do processo de reciclagem avançada, produz plásticos e químicos com a mesma qualidade dos virgens, ou seja, feitos a partir de matéria-prima de origem fóssil”, explica Edison Terra, vice-presidente de Olefinas e Poliolefinas da Braskem na América do Sul. 

O investimento na planta de reciclagem avançada envolve um aporte conjunto de R$ 44 milhões para a construção da unidade, que transformará resíduos plásticos pós-consumo em matéria-prima circular certificada, para utilização em novos produtos, sejam plásticos ou químicos. A planta deve começar suas operações no primeiro trimestre de 2023 e terá capacidade de produzir até seis mil toneladas de produtos circulares por ano.

Campanha de comunicação

Ciente do potencial inovador da nova tecnologia, que amplia as oportunidades de transformação do plástico, e como parte do esforço em tornar esse processo mais conhecido, a empresa lançou em maio uma campanha de comunicação, que apresenta em linguagem simples a tecnologia e os investimentos da companhia.

“O mais interessante é que um modelo de reciclagem complementa o outro, uma vez que mais tipos de embalagens passam a ser reinseridas na cadeia e, consequentemente, transformadas em novos produtos”, acrescenta Fabiana Quiroga, diretora de Economia Circular da Braskem na América do Sul.

Essas iniciativas são uma forma de tangibilizar a atuação da Braskem em todo o ciclo da economia circular, reforçando os compromissos da empresa com o desenvolvimento sustentável e incentivando outras pessoas e parceiros a também participar de iniciativas que gerem impacto positivo ao meio ambiente e, ao mesmo tempo, atendam necessidades de mercados e consumidores. É a Braskem trabalhando por um futuro mais sustentável e circular.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Braskemplásticoreciclagem

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.