Braskem paga R$ 610 milhões pela Cetrel, de serviços ambientais

Empresa de tratamento de efluentes no polo de Camaçari foi ativo que ‘sobrou’ na venda da Odebrecht Ambiental

Fernando Scheller, Fátima Laranjeira, O Estado de S.Paulo

28 de janeiro de 2017 | 05h00

O conselho de administração da Braskem aprovou nesta sexta-feira, 27, acordo para a compra da empresa de tratamento de resíduos e fornecimento de água para o polo petroquímico de Camaçari, na Bahia, por R$ 610 milhões. O ativo fazia parte da Odebrecht Ambiental, mas não foi incluído na venda da divisão para a gestora canadense Brookfield, em contrato celebrado em outubro do ano passado, por cerca de R$ 2,8 bilhões. Essa aquisição, porém, depende ainda do acordo de leniência do grupo Odebrecht para ser concluída.

Nesses últimos meses, o negócio procurava uma “casa” dentro ou fora do grupo Odebrecht. Embora não possa ser considerada um ativo do núcleo de negócios da Braskem, o Estado apurou que a petroquímica avaliou que o negócio serviria para garantir a prestação de serviços no polo petroquímico.

“A Cetrel tem papel relevante na gestão dos processos ambientais das atividades do Polo Petroquímico de Camaçari”, afirmou, em nota, Fernando Musa, presidente da Braskem. “A aquisição busca garantir a segurança e a confiabilidade das operações industriais no polo, em linha com a estratégia da Braskem de reforço de sua operação petroquímica.”

Retorno. A aquisição anunciada ontem, na realidade, representa a volta da Cetrel à Braskem. Em 2012, a petroquímica havia repassado a companhia à Odebrecht Ambiental porque o tratamento de efluentes não fazia parte de sua atividade principal. À época, o valor da venda foi de R$ 652 milhões – agora, a companhia vai pagar um pouco menos pelo ativo.

A Cetrel é uma empresa de serviços ambientais que iniciou suas operações em 1978, juntamente com as indústrias do polo petroquímico de Camaçari. Segundo a Braskem, a Cetrel tem mais de cem clientes. Além de atender a própria Braskem, a companhia presta serviços para outros grupos, como a Petrobrás e a Ford.

A compra aprovada ontem envolve a totalidade das ações detidas pela Odebrecht Utilities na Cetrel, que representa 63,7% do seu capital. O valor do negócio será pago na conclusão da transação, podendo sofrer eventuais alterações.

Venda. Em movimento contrário, a Braskem vendeu um outro ativo considerado fora de suas prioridades de negócios: a distribuidora de produtos petroquímicos quantiQ, que ficou nas mãos do fundo americano Advent, por R$ 550 milhões. Este negócio saiu após uma longa negociação – a Braskem tentava se desfazer do ativo havia anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.