Bressan: Brasil ganha com adesão da Rússia ao protocolo de Kyoto

Brasília, 30 - A possibilidade de a Rússia ratificar o Protocolo de Kyoto pode dar fôlego à meta brasileira de se tornar um grande fornecedor mundial de biocombustíveis. "A iniciativa da Rússia clareia um horizonte que consideramos muito promissor", afirmou há pouco o diretor do Departamento de Açúcar e Álcool do Ministério da Agricultura, Ângelo Bressan. Ele comentava notícia divulgada pela agência de notícias Interfax de que o governo russo deve aprovar hoje o rascunho do pacto de ratificação do protocolo, que prevê medidas para redução do aquecimento global. Mistura de álcool na gasolina e a adoção de biocombustíveis são possibilidades para reduzir o aquecimento, frentes nas quais o Brasil pode atuar. A adesão por parte da Rússia é considerada essencial para que as regras entrem em vigor a partir de 2008. "Precisamos estar prontos para atender à demanda por biocombustíveis", disse Bressan. Recentemente, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva tratou do assunto dos biocombustíveis e lembrou que não existe no mundo um país mais preparado do que o Brasil para atender à demanda pelo etanol que deverá ser criada, caso implementado o Protocolo de Kyoto. O presidente disse, no ocasião, que é importante que a Rússia assine o mais rápido possível o protocolo, o que seria necessário para que ele se tornasse oficial. "Com isso, o mundo irá colocar mais álcool na gasolina e o Brasil está preparado para disputar esse mercado", afirmou Lula.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.