BRF aprova plano de reestruturação e prevê arrecadar R$ 5 bi com medidas

BRF aprova plano de reestruturação e prevê arrecadar R$ 5 bi com medidas

Dona das marcas Sadia e Perdigão planeja se desfazer nos próximos seis meses de fábricas na Europa, Tailândia e na Argentina; anúncio, que inclui cortes de 4,4 mil funcionários no País, ocorre duas semanas após Pedro Parente assumir presidência

Mônica Scaramuzzo e Renata Agostini, O Estado de S.Paulo

29 Junho 2018 | 19h08

Imersa há meses em grave crise nos negócios, a BRF, dona das marcas Sadia Perdigão, anunciou nesta sexta-feira, 29, a decisão de vender R$ 5 bilhões em ativos, passando para frente fábricas na Europa, na Tailândia e na Argentina. A venda das unidades faz parte de um amplo plano de reestruturação, que inclui ainda a demissão de mais de 4 mil funcionários no Brasil e redução dos cargos de chefia.

+ Conselho elege Pedro Parente como presidente global da BRF

Maior exportadora de frango do mundo, a companhia afirmou que não pretende deixar de atender os consumidores europeus, argentinos e tailandeses. Mas seu foco, a partir de agora, serão os mercados brasileiro, asiático e muçulmano – este último com a atuação da Banvit, empresa adquirida no ano passado na Turquia. 

O presidente global da companhia, Pedro Parente, afirmou que a BRF está, neste momento, redefinindo as prioridades de curto prazo. Com isso, desacelera o plano de internacionalização, que era prioridade na gestão anterior, sob o comando da gestora Tarpon e do empresário Abilio Diniz. “Não estamos modificando o plano de internacionalização. Estamos revendo estratégias”, disse em conversa telefônica com jornalistas após anunciar o plano.

+ Em crise, BRF fecha linha de produção de perus em Mineiros, Goiás

O anúncio da reestruturação, que foi aprovada na tarde desta sexta pelo conselho de administração, ocorre duas semanas após Parente assumir a presidência da companhia, cargo que passou a acumular com o comando do colegiado. O plano é uma tentativa de reação da empresa, que sofreu baques sucessivos nos últimos meses.

Alvo no início do ano de nova fase da Operação Carne Fraca, na qual alguns de seus ex-executivos foram presos, a BRF teve vendas bloqueadas pela União Europeia e pela Rússia, perdendo acesso a alguns de seus maiores mercados. Mais recentemente, passou a sofrer sobretaxa da China. A greve dos caminhoneiros no Brasil também impôs forte revés nos resultados, afetando as vendas, com prejuízo aos embarques e ao abastecimento no mercado interno, e pressionando os custos. Os ajustes na estrutura fabril se tornaram necessários. Segundo a BRF, 5% dos 88 mil funcionários do Brasil terão sido demitidos ao final da reestruturação – parte já foi dispensada. 

Vendas. O objetivo da BRF é levantar os R$ 5 bilhões já nos próximos seis meses, derrubando, assim, o endividamento da companhia. A empresa já começou a conversar com bancos, mas ainda não fechou o mandato, que deverá ser feito nos próximos dias. No pacote de vendas de ativos, estão unidades produtoras e centros de distribuição na Europa, sobretudo Reino Unido e Holanda, Argentina e Tailândia. A BRF também está vendendo participações em empresas, como o frigorífico Minerva. Nos últimos dias, reduziu sua fatia de quase 11% para 6%. Lorival Luz, diretor financeiro da BRF, não descartou a venda de outras participações em empresas fora do Brasil.

Como o foco de vendas no mercado brasileiro será intensificado, a BRF pretende reforçar a estratégia de suas marcas mais famosas, a Perdigão e a Sadia, e seguir com a popularização da Kideli, marca lançada no ano passado para atuar nos segmentos de baixa renda. A marca “de combate” será importante, sobretudo no canal atacarejo, afirmou Luz.

Ações. O plano anunciado encerra especulações sobre possível injeção de capital pelos acionistas. A avaliação é que a empresa tem caixa robusto no momento e uma chamada de capital não é necessária no curto prazo. Por outro lado, a venda de ativos e a redução do endividamento podem ajudar a levantar as ações, que sofreram muito. Em um ano, o valor de mercado da BRF recuou 52,5%. Nesta sexta-feira, 29, a companhia valia R$ 14,6 bilhões na Bolsa (a ação encerrou a R$ 18) – um ano antes estava cotada a R$ 30,88 bilhões.

Mais conteúdo sobre:
BRF

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.