BRF coloca à venda ativos com receita de R$ 1,7 bi

Segundo analistas, pacote colocado à venda pela companhia, que inclui dez fábricas, está avaliado entre R$ 1,7 bilhão e R$ 3 bilhões

Raquel Landim, de O Estado de S. Paulo,

26 de julho de 2011 | 23h00

A Brasil Foods informou nesta terça-feira, 26, a lista das fábricas que será obrigada a vender por determinação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), para viabilizar a fusão entre Sadia e Perdigão. Segundo analistas, os ativos não estão entre os mais modernos da empresa, mas não devem faltar compradores para um pacote que pode valer entre R$ 1,7 bilhão e R$ 3 bilhões.

A lista inclui unidades que vão da Bahia ao Rio Grande do Sul, passando por algumas fábricas no Centro-Oeste. A concentração é maior no Sul, berço de Sadia e Perdigão, e no Sudeste, onde está a maior parte do mercado consumidor para processados de carne no País. "Estamos vendendo uma empresa com abrangência nacional e capacidade de concorrer conosco", disse Wilson de Mello Neto, vice-presidente de assuntos corporativos da BRF.

O órgão de defesa da concorrência determinou à Brasil Foods que venda uma série de marcas populares, 10 fábricas de alimentos processados, oito centros de distribuição, dois abatedouros de suínos e dois abatedouros de aves. Cerca de 9 mil funcionários trabalham nessas unidades. O acordo com o Cade obriga o comprador a garantir emprego por seis meses.

Essa "nova empresa" terá uma capacidade de processamento de 730 mil toneladas de carne e um faturamento estimado de R$ 1,7 bilhão. A Brasil Foods contratou o banco BTG Pactual, de André Esteves, para fazer uma avaliação dos ativos e preparar o negócio para a venda.

Com base na margem de lucro da empresa, os analistas calculam que os ativos devem valer cerca de R$ 1, 7 bilhão, mas algumas estimativas chegam a R$ 3 bilhões. O BTG deve finalizar a avaliação em setembro e dar largadas às negociações.

Não foi divulgado o prazo estipulado pelo Cade para a venda dos ativos, mas fontes próximas acreditam que vai até julho do próximo ano. Não devem faltar pretendentes. Tyson, Marfrig e JBS já procuraram a BRF.

Segundo analistas ouvidos pelo Estado, as unidades colocadas à venda não incluem as fábricas mais modernas da Brasil Foods, localizadas em Rio Verde (GO), Lucas do Rio Verde (MT) e Vitório do Santo Antão (PE). O Cade estabeleceu o volume de vendas, mas foi a empresa que escolheu as unidades que disponibilizaria aos concorrentes.

"O pacote não incluiu as melhores unidades, mas a maior parte das fábricas da BRF está muito acima da média do mercado", disse um analista que preferiu não identificar. Apesar da diferença tecnológica, esse tipo de indústria ainda é muito intensiva em mão de obra e as margens operacionais das fábricas da BRF são parecidas.

Segundo um outro profissional, o mais valioso é a logística de distribuição, que vai permitir acessar os clientes da BRF e mercados regionais. A empresa não divulgou onde estão localizados os oito centros de distribuição que serão colocados à venda.

Pedro Herrera, analista do HSBC nos Estados Unidos, acredita que empresas estrangeiras e brasileiras terão interesse no pacote de ativos. Ele destaca que as fábricas envolvidas estão associadas a um pacote de marcas populares, como Rezende, Wilson e Confiança.

"Para uma multinacional que esteja interessada em entrar no mercado brasileiro e ter acesso aos consumidores emergentes do País, essa é uma oportunidade importante", disse Herrera.

Boa parte dos analistas, no entanto, acredita que o vencedor deve ser um player local, porque o governo não gostaria de entregar os ativos para um estrangeiro. Nesse caso, o principal interessado seria o Marfrig, que já possui a Seara. O JBS também estaria no páreo, pois a gigante atua no setor de frangos no exterior, mas no Brasil está focada apenas em bovinos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.