BRF investirá R$ 2,08 bi em 2013 em bens de capital

O vice-presidente de Finanças, Relação com Investidores e Administração da BRF, Leopoldo Saboya, reiterou, nesta quarta-feira, as perspectivas para o desempenho da companhia em 2013 apresentadas na reunião com analistas e investidores realizada no mês passado. Segundo ele, os investimentos em capex - gastos com equipamentos e/ou instalações - deverão somar R$ 2,08 bilhões no ano que vem, sendo R$ 500 a R$ 600 milhões somente em matrizes. Já o crescimento da receita líquida deverá ficar entre 10% e 12%, informou Saboya.

SUZANA INHESTA, Agencia Estado

12 de dezembro de 2012 | 16h50

"Os investimentos serão em vários projetos de crescimento da companhia, não há uma destinação já traçada", disse. Ainda segundo ele, o Termo de Compromisso de Desempenho (TCD) firmado com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) poderia ter gerado perdas de R$ 3,4 bilhões em faturamento em 2012 ante 2011. O TCD previa vendas de marcas e ativos e suspensão temporária de itens com as marcas Batavo e Perdigão. "Mas não chegamos a esse montante, ainda não temos como quantificar o total, porque conseguimos compensar com vendas, reposicionamento de produtos e lançamentos de outros", contou.

Saboya também repetiu que a empresa segue com planos de aquisição no exterior, já que no mercado interno enfrenta restrições impostas pelo Cade. "O foco serão países emergentes e também aqueles que complementem as operações existentes nos mercados em que a BRF já atua. Há muitos ''aviões caídos'' na Europa, por exemplo, mas, no geral, não é nosso perfil comprar companhias com dificuldades financeiras", afirmou.

Segundo o presidente da BRF, José Antonio do Prado Fay, 2012 não foi um ano fácil para a companhia por causa do aumento no preço dos grãos. "Em 2013, entraremos com mais confiança para melhorar nossa produtividade, rentabilidade e ter mais inovação, apesar de não sabermos o que acontecerá com os grãos", ressaltou Fay.

Tudo o que sabemos sobre:
BRFinvestimentos2013

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.