www.alvinmarkbuen.com | DIV
www.alvinmarkbuen.com | DIV

BRF vai se adequar a condições impostas pela UE, diz presidente interino

Lorival Luz disse que, assim que europeus decidirem sobre o bloqueio, companhia definirá 'uma estratégia de crescimento de margem e adequação'

Nayara Figueiredo, O Estado de S.Paulo

11 Maio 2018 | 15h12

Diante do bloqueio às exportações de aves da BRF para a União Europeia, o presidente interino, Lorival Luz, disse em teleconferência nesta sexta-feira, 11, que "a companhia se adequará às condições impostas pela UE para atender aos mercados".

+ Governo estuda plano para emprego na BRF

Segundo o executivo, a empresa aguarda e monitora as definições do bloco sobre a questão e ainda não existem relatórios finais dos europeus. No entanto, a BRF já realizou estudos próprios. Assim que os europeus tomarem uma decisão sobre a continuidade dos embarques, "definiremos, junto ao conselho, uma estratégia de crescimento de margem e adequação", acrescentou.

No primeiro trimestre de 2018, a receita líquida da categoria "mercado internacional" da BRF recuou 13,7%, a R$ 1,824 bilhão, ante o resultado de R$ 2,113 bilhões registrado em igual período do ano passado, conforme balanço financeiro divulgado na quinta-feira. "No mercado externo, temos o impacto de restrições dos suínos na Rússia e das restrição de frangos para a União Europeia", justificou Luz.

A pressão do mercado europeu se intensificou em meados de março, com a deflagração da Operação Trapaça (terceira etapa da Carne Fraca) pela Polícia Federal, que desencadeou a suspensão das exportações das três unidades da BRF - Mineiros e Rio Verde, ambas em Goiás, e Carambeí (PR). A investigação apura se a BRF teria adulterado laudos sobre os índices de salmonela em seus produtos para garantir o acesso a determinados mercados.

+ Ação da BRF é vista como aposta de longo prazo pelos analistas

Ainda sobre os players estrangeiros, o CEO destacou na teleconferência que não existe definição sobre as exportações para a Arábia Saudita, porém a companhia conta com produção suficiente para atender àquele mercado até setembro deste ano, para o período do Ramadã. A discussão envolvendo os sauditas trata sobre o uso do atordoamento das aves antes do abate ser feito, regra que contrariaria os preceitos do abate halal.

Ajustes operacionais. Para o segundo trimestre, Luz afirmou que não poderia dar um guidance, mas esclareceu que a empresa está preparada tanto para ajustes de demanda quanto de custos. "As férias coletivas adotadas em algumas unidades fazem parte de adequação à demanda", disse.

A BRF concedeu férias coletivas de 30 dias para parte dos empregados de Rio Verde (Goiás) e Carambeí (Paraná) entre os dias 14 e 21 de maio. Na unidade de Capinzal (Santa Catarina), há férias coletivas a partir de 7 de maio para os trabalhadores da linha de abate de aves. Em Toledo (Paraná), haverá férias a partir de 2 de julho. "Se precisarmos de outras plantas com férias coletivas, será feito de maneira natural", acrescentou o executivo. O CEO disse que os cronogramas seguem uma programação de 30 a 90 dias, sem prejuízo aos ciclos produtivos dos alimentos.

+ Despedida 'é apenas um até logo', diz Abilio sobre saída da BRF

"As férias foram definidas não só com base na Europa. Ficamos um período do primeiro trimestre sem esse mercado, mas também houve a questão da Rússia e optamos pela adequação de nossos estoques de produtos prontos", enfatizou Luz.

Preços. O CEO interino da BRF, Lorival Luz, disse em teleconferência nesta sexta-feira que a empresa, assim como o mercado em geral, terá que se adequar nos próximos meses à dinâmica de preços de grãos e oferta de commodities como milho e farelo de soja. Segundo o executivo, a companhia monitora a quebra de safra na Argentina, as questões climáticas no Brasil, com possível efeito negativo para a safrinha, e ainda observa o conflito entre Estados Unidos e China. "Essa conjuntura deve gerar algum impacto negativo para a companhia no segundo trimestre", estimou.

Com relação à Argentina, a empresa acredita em uma quebra de 24% para o milho e 34% para a soja. Já no Brasil, a expectativa é de que a volatilidade cambial também gere efeito sobre os preços dos grãos e, com isso, o custo da ração tende a ser maior durante o segundo trimestre de 2018, tanto no comparativo anual quanto no trimestral.

Sobre o cenário doméstico, Luz ressaltou que houve uma elevação nos preços dos produtos durante o quarto trimestre do ano passado, principalmente em embutidos, que gerou perda de market share. "Quando você faz um ajuste em preços, as vendas são pressionadas e há um tempo para o mercado acompanhar integralmente", explicou.

Em balanço financeiro divulgado ontem, a BRF destacou o aumento na oferta local e queda de 14,5% no preço médio do frango inteiro durante o primeiro trimestre de 2018, em relação ao igual período do ano anterior. Além disso, o alojamento de frango recuou 1,3%.

Mais conteúdo sobre:
União Europeia BRF exportação frango

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.