Emily Berl/The New York Times
Emily Berl/The New York Times

Brincadeira física para a geração digital

Disney lança linha de brinquedos que une a lógica do videogame à atividade física

Brooks Barnes, THE NEW YORK TIMES

05 de junho de 2015 | 03h01

Durante mais de dois anos, dentro de um laboratório da Walt Disney desenvolvido para se assemelhar a um quarto infantil, crianças com menos de 10 anos testaram secretamente uma versão caseira da avançada armadura do Homem de Ferro.

A meta da Disney: usar sistemas sem fio, sensores de movimento e tecnologia vestível para encontrar um equilíbrio entre aquilo que as crianças querem fazer (mexer em telas e jogar videogames) e aquilo que seus pais prefeririam que fizessem (brincadeiras com mais atividade física).

A Walt Disney Company revelou na terça-feira a linha de brinquedos resultante da pesquisa, chamada Playmation, que chegará às lojas em outubro. Por cerca de US$ 120, um pacote inicial inspirado nos Vingadores incluirá uma luva vermelha “repulsora” do Homem de Ferro para ser usada na mão e antebraço direitos, e quatro brinquedos inteligentes, entre eles dois bonecos articulados.

Usadas em conjunto, as diferentes peças conduzem as crianças por missões para destruir vilões – correr, pular, se esquivar, saltar, atirar. Um aplicativo ligado ao brinquedo oferece acesso a objetivos e poderes adicionais. “São brincadeiras mais físicas para uma geração digital”, disse Thomas O. Staggs, diretor de operações da Disney, por e-mail.

Os analistas que tiveram a oportunidade de testar o Playmation dizem que o brinquedo pode solucionar uma charada que foi muito abafada na indústria tradicional dos brinquedos: e se os brinquedos pudessem responder à brincadeira? A resposta pode garantir a relevância de empresas como Hasbro e Mattel – e Disney – para as futuras gerações de crianças.

“Vejo a nova linha de brinquedos como revolucionária, especialmente para a área de brinquedos de ação e faz de conta”, disse em entrevista Jim Silver, editor do site TTPM, especializado em brinquedos. “O que a Disney fez foi tão sofisticado que acho que a palavra ‘brinquedo’ não serve para descrever o novo invento.” 

Polêmicas. Esse pode ser um terreno acidentado. As iniciativas para criar brinquedos inteligentes costumam provocar reações rápidas e incisivas por parte das organizações de consumidores, com foco principalmente na privacidade. O mais recente exemplo é a nova Hello Barbie, da Mattel, que se conecta à internet e registra a fala da criança, analisando-a para oferecer repostas pertinentes.

O grupo Campaign for a Commercial-Free Childhood, com sede em Boston, batizou a boneca imediatamente de “Barbie Bisbilhoteira”, e começou a organizar pais contra a Mattel. A fabricante de brinquedos, cujo lucro teve queda de 45% no ano passado – em parte por causa do menor interesse na linha Barbie tradicional – defendeu a boneca digital, citando substanciais proteções à privacidade.

Consciente dessa armadilha, a Disney “projetou a linha Playmation sempre pensando na privacidade”, disse Kareem Daniel, vice-presidente sênior de estratégia e desenvolvimento de negócios da Disney Consumer Products. Os componentes da linha Playmation foram intencionalmente pensados para não se conectarem à internet durante a brincadeira, disse ele.

A Disney está saindo na frente com o lançamento da Playmation. Conjuntos inspirados na franquia Star Wars serão lançados no ano que vem; os protótipos mostrados na semana passada a um repórter traziam um treinamento para Jedis e truques de Darth Vader. Uma versão inspirada em Frozen é esperada para 2017. Voltados para crianças com idades entre 6 e 12 anos, os brinquedos também podem ser usados por adultos.

Com o imenso número de personagens do elenco Disney e uma tecnologia flexível para ser usada na plataforma, “o potencial do Playmation é tremendo”, disse Staggs./ TRADUÇÃO DE AUGUSTO CALIL

Notícias relacionadas
Tudo o que sabemos sobre:
disney

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.