British Airways pede a funcionários que trabalhem de graça

Empresa aérea afirma que iniciativa faz parte de 'luta por sobrevivência'; apelo foi enviado a 30 mil trabalhadores

BBC Brasil, BBC

16 de junho de 2009 | 10h39

A empresa aérea British Airways pediu aos funcionários que trabalhem de graça, por até um mês, para ajudar a companhia a sobreviver.  O diretor executivo da BA, Willie Walsh, já concordou em abrir mão de seu salário mensal de 61 mil libras (cerca de R$ 193 mil) no mês de julho.

O apelo foi enviado por e-mail a mais de 30 mil funcionários no Reino Unido, pedindo a eles que sejam voluntários para trabalhar de graça ou tirar licença sem vencimento num período que pode variar de uma semana a um mês. O desconto no salário será feito em parcelas, de três a seis meses.

No mês passado, a BA teve prejuízo anual recorde de 401 milhões de libras (cerca de R$ 1,273 bilhões), em parte por conta do alto preço do combustível e outros custos.  

Walsh explicou que a iniciativa para cortar gastos é uma "luta pela sobrevivência". "Estou tentando que todas os setores da empresa tomem parte, de alguma maneira, nesta forma de economizar dinheiro para ajudar o plano de sobrevivência da companhia", disse ele.

Nas últimas semanas, a BA realizou reuniões de emergência com sindicatos trabalhistas na empresa, buscando maneiras de economizar dinheiro. Os detalhes de um amplo acordo de pagamento e produtividade devem ser anunciados na quarta-feira.

Esquema flexível

Um porta-voz da empresa disse que eles não têm uma meta de economia exata com este plano. "O máximo que pudermos, mas não temos um número", disse ele.

A ideia foi lançada pela primeira vez no mês passado, quando a empresa pediu aos funcionários que se candidatem a um mês de licença não remunerada, ou trabalhem de graça durante o período. Este pedido atraiu mais de mil candidatos.

Mas a versão mais recente do esquema, lançado na semana passada por e-mail e em um artigo no jornal interno da companhia, é mais flexível e aceita voluntários para até uma semana. A BA pede que os funcionários se apresentem até o fim do mês.

A empresa disse que outras companhias, como a Cathay Pacific, lançaram iniciativas semelhantes, e a maioria dos funcionários participaram.     BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC

Tudo o que sabemos sobre:
crise financeiraaviaçãoempresas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.