Bancos esperam maior demanda por crédito no agro, apesar de alta de juro
Imagem Coluna do Broadcast Agro
Colunista
Coluna do Broadcast Agro
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Bancos esperam maior demanda por crédito no agro, apesar de alta de juro

Diferente do ocorrido em 2021, quando produtores tomaram crédito para expandir produção e maquinários, agora eles buscarão dinheiro para cobrir a alta dos custos na safra 2022/23.

Clarice Couto, Leticia Pakulski e Augusto Decker, O Estado de S.Paulo

04 de abril de 2022 | 05h00

Mesmo com a taxa básica de juros (Selic) nove pontos porcentuais mais alta do que há um ano, os principais bancos privados com atuação em agro apostam na demanda aquecida este ano, a ser suprida justamente por linhas com taxas de mercado, que superam as controladas do Plano Safra. A Selic, hoje em 11,75% ao ano, deve chegar a 13% no fim do ano, segundo economistas. O Bradesco, que fechou 2021 com carteira agro de R$ 40,9 bilhões, estima crescer de 10% a 15%, diz Roberto França, diretor de Agronegócios. Carlos Aguiar, do Santander, conta que a expectativa é ampliar em 20% o bolo de R$ 27 bilhões de 2021. Pedro Fernandes, do Itaú BBA – cuja carteira é 90% atendida por linhas de mercado – prevê 20% mais, ou até R$ 72 bilhões.

Mais dinheiro para repetir o resultado

Diferente do ocorrido em 2021, quando produtores tomaram crédito para expandir produção e maquinários, agora eles buscarão dinheiro para cobrir a alta dos custos na safra 2022/23. “Vão precisar de mais recursos para fazer o mesmo do ciclo anterior”, avalia Aguiar.

LCA pode ganhar mais relevância

Os executivos notam maior procura de correntistas por LCAs, papel com remuneração influenciada pela Selic e de cuja captação 35% devem ser emprestados ao agro com taxas livres. Parte do aumento das carteiras deve vir do título, mas o valor pode ser maior se o governo revisar regras de concessão ao setor, diz Aguiar.

REAÇÃO.

A Predilecta Alimentos espera faturar até 8% mais neste ano em relação a 2021 com a reação esperada do food service, que representa de 25% a 28% da receita. Mais eventos presenciais estão sendo realizados, e o canal tende a se recuperar mais rápido do que as vendas para o consumidor final.

 MANDA PRA CÁ.

Bruno Trevizaneli, diretor agrícola da Predilecta, diz que a empresa prevê processar até 18% mais tomate, milho doce, ervilha e goiaba nas cinco fábricas no País. Entretanto, estimular produtores a manterem o fornecimento desses produtos em momento de forte alta dos grãos é um desafio, reconhece. “Tentamos, por meio do fornecimento de insumos e orientação técnica, convencê-los a não ficar só em soja e milho.”

 

PARA DENTRO.

O Essere Group, que faturou R$ 352 milhões em 2021 com as empresas Bionat, de defensivos biológicos, Floema, de logística, e Kimberlit e Loyder, de fertilizantes, acaba de comprar a mineira Ruralvit Biotech, de Uberaba. O valor da operação não foi informado. A Ruralvit possui tecnologia à base de vírus para controle da lagarta-do-cartucho, que causa prejuízos a cerca de cem culturas agrícolas, e já fornecia 95% de sua produção para a Bionat, conta Antonio Carlos de Gissi Jr., CEO do grupo. 

 

PREPARATIVOS.

Ainda em 2022, o Essere Group pretende modernizar e automatizar a fábrica da Ruralvit para triplicar sua capacidade de produção, de 700 para 2,5 mil quilos por mês. Gissi Jr. aposta na crescente demanda dos produtores por biodefensivos para combater a lagarta-do-cartucho. Hoje, essas soluções representam 15% de todos os defensivos vendidos contra a praga; em quatro anos, podem chegar a 50%, estima o executivo. O grupo prevê faturar R$ 700 milhões em 2022, o dobro do ano passado. 

MAR TRANQUILO. Após a falta de contêineres no ano passado, o transporte marítimo para exportar café já melhorou, afirma à Coluna Carlos Augusto Rodrigues de Melo, presidente da Cooperativa Regional de Cafeicultores em Guaxupé (Cooxupé). “Esperamos que continue assim, porque ainda há café retido que já foi comprado”, acrescenta. A cooperativa espera aumentar as exportações este ano para 5,9 milhões de sacas de 60 kg, ante 4,9 milhões em 2021.

Tudo o que sabemos sobre:
agropecuária

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.