BTG Pactual/ Divulgação
BTG Pactual/ Divulgação

BTG tem lucro recorde de R$ 6,5 bi; André Esteves será o novo presidente do conselho

Banco registrou no ano passado receita total de R$ 13,9 bilhões, número também recorde 

Cynthia Decloedt e Fernanda Guimarães, O Estado de S.Paulo

16 de fevereiro de 2022 | 09h00
Atualizado 16 de fevereiro de 2022 | 14h07

O BTG Pactual registrou, no ano passado, um lucro líquido ajustado de R$ 6,49 bilhões, um crescimento de 60,3% em relação ao ano anterior. As receitas totais do banco somaram R$ 13,9 bilhões, uma alta de 49% na comparação com 2020. Além do resultado, o banco também anunciou uma reorganização societária, que colocará o banqueiro André Esteves de volta ao comando do conselho de administração da instituição financeira.

O ex-ministro Nelson Jobim, que está na presidência no colegiado, seguirá no conselho, informou na manhã desta quarta-feira, 16, o BTG. A presidência executiva do banco seguirá nas mãos de Roberto Sallouti.

Esteves é o maior acionista e fundador do BTG e assumirá de volta a presidência do conselho a partir de abril, após a assembleia de acionistas. O banqueiro já vinha participando do dia a dia do banco, mas só agora voltará a uma posição executiva depois de ter sido preso no fim de 2015, em meio às investigações da Operação Lava Jato. Isso colocou o BTG em uma berlinda na época. 

O retorno formal do fundador ao banco ocorreu apenas em 2018, quando houve absolvição por parte do Ministério Púbilco. O BTG, que teve de encolher seu tamanho na época e contra muitas previsões, deu a volta por cima e conseguiu, poucos anos depois, expandir seu negócio, deixando para trás qualquer resquício da crise. 

"É o fim de uma infelicidade e injustiça ocorrida na história empresarial brasileira", disse o presidente da instituição e sócio, Roberto Saolluti. "Estamos orgulhosos em ter (André) Esteves no conselho", acrescentou, lembrando que não é esperada mudança na estratégia atual do banco.

Perspectivas para 2022

O BTG Pactual deve seguir apresentando crescimento forte de receitas e lucro no ano de 2022, apesar do cenário desafiador, disse Sallouti, em teleconferência de resultados. “Esperamos mudança no mix de receita com alta do juro, mas o banco vai continuar se beneficiando dos investimentos feitos e escala das franquias”, disse.

Segundo ele, o banco vai seguir expandindo receitas nas áreas de administração de ativos e gestão de ativos, além do segmento de crédito e intermediação financeira. “Teremos forte crescimento de receitas e do lucro líquido em 2022 e um retorno de 20%, a mesma medida que manteremos o balanço capitalizado”, acrescentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.