Buser/ Divulgação
Buser/ Divulgação

Buser investe em marketing e ganha fôlego na pandemia

Segundo executiva, reinvenção foi ainda mais urgente no setor de viagens, um dos mais afetados pelas restrições à circulação

André Jankavski, O Estado de S.Paulo

17 de janeiro de 2022 | 05h00

Antes do início da Black Friday do ano passado, a Buser decidiu fazer uma campanha no Paint – um dos editores de imagem mais tradicionais e com menos ferramentas do mercado. A imagem ilustrava um ônibus mal desenhado juntamente com o texto “Vamos cobrar tão barato nessa Black Friday que tivemos que economizar na criação do anúncio”. É claro que se tratava de uma piada e que foi muito bem recebidas nas redes sociais.

Afinal, uma das coisas que a Buser mais fez em 2021 foi investir em marketing. E das mais diferentes formas: entrada no futebol, ação em novelas da Rede Globo e ativação de espaços de convivência pelas cidades. Tudo isso após um ano de 2020 bastante complicado, com boa parte das cidades fechadas e pouquíssimas pessoas viajando, com medo da covid-19. Para completar, a empresa segue sendo alvo de processos contra a circulação de seus ônibus no País. 

Uma das saídas para mostrar à Justiça de que o serviço é legal, tal como o Uber e a 99 precisaram fazer no início de suas operações no País, foi conquistar os consumidores. O Estado de Minas Gerais é um exemplo, já que entrou em vigor uma lei que restringe o fretamento de viagens de passageiros por ônibus no Estado. 

Coincidência ou não, a Buser investiu em patrocínios nos times de futebol mais populares da região: o Cruzeiro e o Atlético Mineiro. Diversas ações de ativação com os torcedores foram realizadas, como levar parte da torcida para ver a final da Copa do Brasil em Curitiba, onde o Galo foi campeão ao jogar contra o Athletico Paranaense. Além dos patrocínios para as equipes mineiras, passou a apoiar a Copa do Nordeste, campeonato que se tornou um dos mais populares no País nos últimos anos, a fim de atrair mais clientes nordestinos. 

“Com as pessoas em casa e o aumento do consumo por conteúdo, ser criativo foi essencial. A regra era clara: se você não se destaca, você passa despercebido”, diz Flavia Oliveira, chefe de marketing da Buser. “Isso foi ainda mais urgente no setor de viagens. Tivemos de nos reinventar e trazer conteúdo pertinente não só para chamar atenção, mas também algo que tivesse uma conexão com o presente, quando todos estavam com receios (mas com motivos) de viajar.”

Para 2022, a Buser espera um ano desafiador, mas positivo. Afinal, com uma nova onda da pandemia e o dólar alto, as viagens internacionais devem voltar a ficar mais escassas, e o que restará para muitos brasileiros será viajar localmente. 

Para atrair essas pessoas, a Buser fará novas ações criativas. “Neste ano vamos continuar nos transformando e contando boas histórias. Focaremos ainda mais na construção de marca, em estreitar laços com consumidores”, afirma a executiva. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.