Cade adia julgamento sobre Cimento Tupi e Polimix

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) adiou o julgamento do ato de concentração que trata da compra da Cimento Tupi pela Polimix Concreto. O relator do caso, conselheiro Fernando Furlan, explicou que o adiamento foi decidido após pedido dos advogados da Polimix, empresa que tem parte das ações de propriedade do Grupo Votorantim. A advogada da companhia, Gianni Nunes de Araújo, alegou que necessita de mais tempo para instruir o processo. "Queremos discutir mais os argumentos que defendemos", afirmou.

CÉLIA FROUFE, Agencia Estado

22 de setembro de 2010 | 11h23

O Cade já sinalizou mais de uma vez que pretende conter o avanço do Grupo Votorantim no mercado de cimento e concreto. Há um mês e meio, a Agência Estado informou que a Procuradoria-Geral do Cade (Procade) emitiu parecer a Furlan sugerindo que ele obrigue a Votorantim a retirar sua participação acionária minoritária da Polimix e que essa empresa desfaça a operação com a Cimento Tupi, na unidade de Macaé (RJ), ou a venda a uma terceira companhia independente do setor.

Tudo o que sabemos sobre:
cimentojulgamentoCadeTupiPolimix

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.