Cade aprova aquisição da Credicard pelo Itaú Unibanco

Negócio foi fechado em maio pelo valor de R$ 2,767 bilhões em dinheiro; aquisição vai elevar participação do Itaú Unibanco no segmento de cartões de crédito para quase 40%

Luci Ribeiro, Agência Estado

22 de agosto de 2013 | 11h05

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou a aquisição, pelo Itaú Unibanco, do Banco Citicard e da Citifinancial Promotora de Negócios e Cobrança, responsáveis pela oferta e distribuição de produtos e serviços financeiros da marca Credicard. O negócio foi fechado em maio pelo valor de R$ 2,767 bilhões em dinheiro, e as empresas compradas faziam parte do Grupo Citibank.

A aquisição da Credicard vai possibilitar ao Itaú Unibanco elevar sua participação em cartões de crédito para quase 40%, segundo informou em maio ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real, da Agência Estado, o diretor Corporativo de Controladoria da instituição, Rogério Calderón. Os 4,8 milhões de cartões da marca vão agregar cerca de 4% em market share ao banco, que já conta com uma fatia de pouco mais de 35% no segmento.

Em ativos, a aquisição da Credicard acrescenta ao Itaú Unibanco um montante de R$ 8 bilhões, que, somados ao valor encerrado no primeiro trimestre, chegam a um total de R$ 1,036 trilhão. Já em funcionários, são cerca de 1,2 mil novos colaboradores que serão integrados ao grupo, cujo total passa a somar mais de 97,5 mil.

Segundo o Cade, a operação reforça a posição do Itaú Unibanco de líder de mercado, "mas não inviabiliza a rivalidade no mercado, pois há ainda pelo menos cinco grandes agentes - Bradesco, Banco do Brasil, Caixa, Santander e HSBC - que podem rivalizar com a requerente". A aprovação do negócio, que se deu sem restrições, é assinada pelo superintendente-geral do órgão, Carlos Ragazzo, e está publicada em despacho no Diário Oficial da União desta quinta-feira.

Tudo o que sabemos sobre:
CadeCredicardUnibanco

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.