Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Mauro Pimentel/AFP
Mauro Pimentel/AFP

Cade aprova, com restrições, venda de fatia da Petrobrás na Gás Local para a White Martins

Aprovação foi condicionada à assinatura de acordo que delimita o cálculo do preço de fornecimento de gás pela estatal, que tem participação de 40% no negócio

Lorenna Rodrigues, O Estado de S.Paulo

16 de junho de 2021 | 19h54

BRASÍLIA - O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou, com restrições, a venda da fatia da Petrobrás na GNL Gemini Gás Local para a sua sócia na empresa, White Martins. A venda foi anunciada em setembro de 2020 e não teve o valor revelado.

A aprovação foi condicionada à assinatura de um acordo que delimita o cálculo do preço de fornecimento de gás pela estatal. O consórcio Gemini foi formado entre Petrobrás e White Martins em 2004, com previsão de durar até 2023.

A Gás Local, controlada pelo consórcio, é composto por 40% da Petrobrás e 60% da White Martins. A empresa atua no setor de distribuição de Gás Natural Liquefeito (GNL) - a Petrobrás fornece o gás natural, que é liquefeito pela White Martins e distribuído pela Gás Local.

Em 2016, o Cade condenou a Petrobrás e a White Martins por prática anticompetitiva no consórcio. As empresas foram acusadas de vender gás a preços subsidiados para fechar o mercado aos competidores.

Naquele ano, a Petrobrás foi condenada a  pagar multa de R$ 15,2 milhões e a White Martins outros R$ 6,2 milhões. Além dessa penalidade, foram adotadas medidas estruturais para impedir que as práticas irregulares continuem, entre elas a determinação de que a Petrobrás venda o gás para a concorrente Comgás com os mesmos preços e condições que o produto é vendido para o Gemini.

Linx e Stone

O órgão também aprovou, sem restrições, a compra da produtora de programas para varejo Linx pela empresa de pagamentos Stone. No fim de maio, o relator do processo, conselheiro Sérgio Ravagnani, havia pedido prazo de até mais 90 dias para a conclusão da análise. Nesta quarta-feira, Ravagnani negou recursos de concorrentes, entre elas a Cielo, e disse que o negócio não traz prejuízos à concorrência.

“O mercado de software tem caminhado para convergência e deve continuar crescendo nos próximos anos em decorrência da competição acirrada. O Cade está e estará atento a esses mercados”, afirmou. Em novembro do ano passado, acionistas da Linx aprovaram a oferta de aquisição da empresa feita pela processadora de cartões Stone, em um negócio de aproximadamente R$ 6,8 bilhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.