Cade aprova compra da Unirondon pela Kroton

Ao mesmo tempo em que aprovou nesta quarta-feira a compra da União Educacional Cândido Rondon (Unirondon) pela Editora e Distribuidora Educacional S.A., uma subsidiária integral da Kroton Educacional, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) impôs, no entanto, o fechamento de um acordo com as empresas, cujos itens são confidenciais. De acordo com o relator do caso, conselheiro Marcos Paulo Veríssimo, ao contrário de outros processos da área de Educação que passaram pelo Cade nas últimas sessões, pela primeira vez foram constatadas participações elevadas nos cursos.

CÉLIA FROUFE E EDUARDO RODRIGUES, Agencia Estado

17 de abril de 2013 | 16h01

A votação foi por unanimidade. "Esta é a primeira intervenção estrutural no setor de Educação depois de nossos novos critérios de avaliação", afirmou. Como exemplo de participação alta, Veríssimo citou pedagogia (42%) e enfermagem (49%). Ele afirmou que, apesar de grandes, essas margens ainda estão dentro do que o Cade aceitava. O ponto principal dessa situação, segundo Veríssimo, é a concentração saliente na faculdade de direito, em torno de 5 mil alunos, que é próxima de 70%. "Tenho um problema concorrencial no coração do alunato dessas instituições. Existe um problema, que é uma barreira de entrada para direito mais severa do que para os demais cursos", considerou.

Conforme o relator do caso e conselheiro, a situação é mais complexa porque envolve autorização da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), além da anuência do Ministério da Educação (MEC). "A OAB não está mais concedendo autorizações para cursos de direito como antes", afirmou. A Unirondon é um centro universitário que presta serviços de ensino superior em Cuiabá e Campo Verde, no sudeste de Mato Grosso. A notificação do negócio foi feita ao Cade em 18 de maio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.