Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

Cade aprova compra do Citi pelo Itaú, mas veta compra de financeiras por 2,5 anos

Órgão deu aval para aquisição do braço de varejo do banco americano e diz que há poucas preocupações concorrenciais; negócio de R$ 710 milhões foi anunciado no ano passado

Lorenna Rodrigues, O Estado de S.Paulo

16 Agosto 2017 | 12h04

BRASÍLIA - O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou nesta quarta-feira a compra da área de varejo do Citibank no Brasil pelo Itaú Unibanco, com restrições. A aprovação foi condicionada ao cumprimento de um acordo que prevê, entre outros pontos, que o Itaú não poderá adquirir instituições financeiras nem operadores de consórcio pelo prazo de 30 meses.

Em outubro, o Itaú anunciou a compra da unidade de varejo do Citibank no Brasil por R$ 710 milhões. O banco desbancou o espanhol Santander, que era apontado como favorito para levar o negócio.

O relator do processo, Paulo Burnier, destacou que a fusão apresenta poucas preocupações concorrenciais, principalmente por conta da baixa participação de mercado do Citibank. De 13 mercados analisados, apenas o de cartão de crédito apresentava indícios de uma concentração mais elevada. "A operação não representa riscos à concorrência, diferentemente da operação HSBC/Bradesco, que teria condições de retirar agências do mercado nacional", afirmou.

Ainda assim, para afastar qualquer preocupação, o relator seguiu a recomendação da superintendência-geral do Cade e condicionou a aprovação à assinatura de um acordo, que foi sugerido pelas próprias empresas. O acordo tomou como base as restrições impostas na própria compra do HSBC pelo Bradesco, em que este último também foi proibido de fazer novas aquisições por 30 meses.

Também foram impostas ao Itaú medidas para melhoria de indicadores relacionados à portabilidade da conta salário, operações de crédito e qualidade, divulgação de informações sobre o cadastro positivo, treinamento e capacitação de pessoal interno para reduzir índices de reclamações e observação de regras de compliance. Há ainda previsão de multas por descumprimento do acordo.

Depois de duas reprovações em casos em que não foi possível chegar a um acordo com as empresas - nas fusões Kroton/Estácio e Ipiranga/Alesat - o presidente do Cade, Alexandre Barreto, ressaltou que o Itaú Unibanco e o Citibank endereçaram, desde a primeira proposta, os problemas concorrenciais identificados pelo Cade. Nos dois casos reprovados recentemente, as empresas foram acusadas de não terem feito propostas relevantes a tempo de negociá-las. "Isso vai na linha do que venho dizendo, de ser responsabilidade dos requerentes trazer as informações necessárias", destacou Barreto.

Recomendação. No início de julho, a superintendência-geral do Cade recomendou ao tribunal, que é quem dá a última palavra, que a operação fosse condicionada à celebração do acordo. O parecer da superintendência apontou preocupações em relação às constantes operações de aquisição do Itaú no mercado financeiro, "elevando seu market share nos mercados em que já atua, bem como o portfólio de serviços ofertados pelo seu grupo econômico".

Ainda assim, a compra do Citibank não representaria risco elevado, já que o banco tem cerca de 1% dos ativos e depósitos totais neste mercado. "Os termos negociados no acordo visam afastar a possibilidade dos clientes do Citibank serem prejudicados com a operação, e também beneficiar os clientes do Itaú por meio de medidas que incrementem o nível de qualidade dos serviços prestados pela instituição", afirmou nota do Cade.

Aval do BC. O Itaú Unibanco diz que ainda depende do aval do Banco Central para poder integrar a operação de varejo do Citi no Brasil. A bênção do Cade saiu um dia antes de o pedido completar cinco meses junto ao órgão antitruste, ou seja, dentro do prazo legal que é de 240 dias, prorrogáveis por mais 90. Com isso, a operação foi analisada em menor espaço de tempo que a venda do HSBC para o Bradesco, que consumiu 225 dias, uma vez que também era mais complexa.

A operação de varejo do Citi no Brasil, avaliada em R$ 710 milhões, é a 26ª aquisição da história do Itaú Unibanco. Depois dela, o banco já anunciou a compra de 49,9% da XP Investimentos, cujo pedido junto ao Cade também já foi protocolado.

Após o aval do BC, o Itaú trará para dentro de casa a rede física do Citi, que soma 71 agências e aproximadamente 315 mil clientes correntistas, com R$ 35 bilhões entre depósitos e ativos sob gestão (valores brutos na data-base de 31 de dezembro de 2015), além de 1,1 milhão de cartões de crédito e R$ 6 bilhões de carteira de crédito, conforme informações anunciadas quando da compra da operação, em outubro do ano passado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.