Cade aprova entrada da Cemig no controle da Renova

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou, sem restrições, duas operações que permitem a reestruturação societária da Cemig envolvendo a Renova Energia, que há 11 anos atua no segmento de Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) e usinas eólicas.

LUCI RIBEIRO, Agencia Estado

29 de novembro de 2013 | 09h41

Com a aprovação do Cade de uma das operações, a Cemig passa a integrar o bloco de controle da Renova - juntamente com RR Participações e Light - por meio da subscrição e integralização de novas ações ordinárias da Renova pela estatal mineira. O aumento de capital é estimado em R$ 1,4 bilhão. A Cemig poderá entrar no capital da Renova diretamente ou por meio de um Fundo de Investimentos em Participações.

A outra operação que obteve aval do Cade permite que a Chipley Participações, subsidiária da Cemig e da Renova Energia, adquira 51% da Brasil PCH. A empresa comprará, ao final da operação, 49% das ações detidas pela Petrobras na Brasil PCH e 2% das ações detidas pela Jobelpa. A Brasil PCH detém 13 PCHs situadas nos Estados do Espírito Santo, de Goiás, Minas Gerais e do Rio de Janeiro. A aprovação dos dois negócios está em despachos publicados no Diário Oficial da União desta sexta-feira.

Tudo o que sabemos sobre:
RenovaCemigCade

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.