Cade: compra da Dasa pela MD1 precisou de acordos

O conselheiro do Cade, Ricardo Ruiz, relator do processo de aquisição da rede de laboratórios Dasa pela MD1 (empresa controlada pela Amil)disse hoje que a operação tem problemas complexos e que, por isso, justifica a assinatura dos Acordos de Preservação da Reversibilidade da Operação (APROs). Hoje as empresas assinaram com o Cade dois acordos prevendo que os negócios serão mantidos separados até o julgamento final pelo órgão. Segundo o relator, os acordos vão restringir a integração vertical da Amil e da Dasa. Para ele, a aquisição reforça o poder de mercado da Amil.

RENATA VERÍSSIMO, Agencia Estado

26 de outubro de 2011 | 14h11

Ruiz informou que dos 23 mercados regionais e de produtos onde as empresas operam, em 11 ou 12 há uma concentração de mercado acima de 50%. "Os indícios mostram que é um caso complexo", afirmou. "Estamos preocupados com alguns players em alguns mercados", disse, sem no entanto citar nomes. A Amil também comprou a Medial. Ruiz disse que há indícios de que a fusão das redes de laboratórios pode estar dificultando a entrada de outros planos de saúde, que precisam das redes de laboratórios para vender seus seguros de saúde.

Tudo o que sabemos sobre:
CadeDasaacordos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.