Cade vai monitorar operação da Telefónica, afirma Dilma

A presidente Dilma Rousseff afirmou que caberá ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) se manifestar sobre os desdobramentos do acordo que permitiu que a Telefónica, dona da Vivo, se torne acionista majoritária da Telco, controladora da Telecom Italia, ou seja, da TIM no Brasil. A presidente concedeu entrevista à imprensa nesta quarta-feira, 25, pouco antes de encontrar investidores em Nova York.

RICARDO DELLA COLETTA, Agencia Estado

25 de setembro de 2013 | 17h50

Perguntada sobre a operação, Dilma disse que não comentaria a questão, mas emendou: "Houve uma opinião do ministro Paulo Bernardo (das Comunicações), que não é a opinião oficial do governo, ainda".

Na opinião de Paulo Bernardo, manifestada na terça-feira, 24, a hipótese mais provável é que o grupo coloque as operações brasileiras da TIM no Brasil à venda. "Sim, a legislação prevê isso. A empresa continua funcionando, mas eles têm que vender no prazo de um ano", disse o ministro. Bernardo destacou que, se a TIM Brasil for vendida, não poderia ser adquirida pelos outros concorrentes, como Vivo, Oi, Claro e Nextel. "Não pode ser para um dos que já estão aqui."

Tudo o que sabemos sobre:
TelefónicaDilma

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.