Café: Cooxupé espera superar meta de recebimento este ano

Belo Horizonte, 20 - A Cooxupé, maior cooperativa de cafeicultores do mundo, deverá superar a meta de recebimento de café prevista para este ano. Segundo informações da entidade, até 14 de outubro, os cooperados já haviam entregue mais de 3 milhões de sacas para classificação e padronização. O objetivo para este ano eram 3,4 milhões de sacas, o que significa uma participação de 8,8% da produção nacional e 18% da produção mineira de café. Segundo o diretor Administrativo da cooperativa, Antônio Carlos de Oliveira Martins, a expectativa é o depósito de 3,5 milhões. Embora o incremento não seja significativo, de apenas 2,9% do que fora previsto anteriormente, o saldo é positivo se for verificado o volume recebido em 2002, quando chegou a 3,6 milhões de sacas. A produção da safra 2002/2003 foi de cerca de 48 milhões de sacas, enquanto que a estimativa para a safra 2004/2005 é de 38,2 milhões de sacas. De acordo com Martins, a ampliação do volume de estoques recebidos pode ser atribuída ao programa de fidelização que a Cooxupé vem promovendo junto aos 9 mil produtores associados. A idéia é que quanto maior o número de serviços utilizados pelos cooperados, maior o volume de benefícios que podem ser usufruídos. Na semana passada, a entidade realizou o chamado "Café com Lucro", para financiar a compra de adubos e fertilizantes com prazo de um ano para pagamento. Segundo Martins, em apenas cinco dias, o volume de crédito contratado por 5,5 mil cooperados chegou a R$ 84 milhões para a compra de insumos que serão aplicados nas lavouras de café. Considerando as operações realizadas para o segmento de grãos, o montante chegou a R$ 100 milhões. "Um dos principais fatores para o sucesso do programa foi a transparência da cooperativa e a confiança do produtor", acredita. A liberação do crédito, segundo o diretor, é feita a partir de uma análise do porte do cafeicultor e depende do volume de produção. Conforme Martins, a Cooxupé possui acordos com diversos fabricantes multinacionais de fertilizantes e, em função do volume de produtos adquiridos, o preço final ao cooperado é mais acessível. Este ano a Cooperativa irá oferecer aos associados um volume de 130 milhões de toneladas em insumos. "As condições são tão favoráveis aos produtores que quase não há inadimplência", diz. A Cooperativa possui 17 filiais, sendo que 15 delas localizadas em Minas e outras duas (São José do Rio Preto e Caconde), em São Paulo. (segue)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.