Café Serra da Grama fecha negócio com francesa Hediard

Marca do sul de Minas será vendida em butique de alimentos em Paris a partir de abril

Tomas Okuda, da Agência Estado,

24 de janeiro de 2011 | 10h16

O Café Serra da Grama, de São Sebastião da Grama, na divisa com o sul de Minas, acaba de fechar negócio com a rede francesa Hediard, uma das mais exclusivas butiques de alimentos do mundo. A Hediard vende atualmente apenas café verde, de diversas origens, como América Central e África, o qual é torrado e moído na hora. A partir de abril, o consumidor de Paris terá à disposição café da torrefadora de São Sebastião da Grama em embalagem com a marca da Hediard, do Serra da Grama e com o Selo de Qualidade Associação Brasileira da Indústria de Café (Abic), informou a proprietária do Café Serra da Grama, Mariângela Taramelli Francisco.

De acordo com ela, os franceses ainda não definiram preços, nem volume que pretendem importar. No entanto, exigiram que seja reservado com exclusividade um talhão de cerca de 5 hectares da Fazenda São Gabriel, de propriedade da família Taramelli, onde são cultivados cerca 25 mil pés de café, que deram a primeira carga no ano passado. Dali devem sair, a partir de maio, cerca de 200 sacas do produto, da variedade bourbon amarelo, com destino à França. O abastecimento da Hediard a partir de abril está garantido porque, segundo Mariângela, foram reservadas 17 sacas da safra passada.

As embalagens são desenvolvidas por uma agência de publicidade no Brasil e já está em fase final de confecção. "A Hediard pede sofisticação", comenta Mariângela. A empresária revelou que na loja Hediard de Paris, hoje, uma xícara de café custa cerca de 6,5 euro, ou perto de R$ 15,30. Um pacote com 250 gramas de café torrado na rede não sai por menos de 25 euros, ou R$ 58,75.

O relacionamento entre o Café Serra da Grama e a Hediard, porém, não é de hoje. No ano passado, para a comemoração dos 130 anos de seu principal endereço, o da Place de La Madeleine, a Hediard pesquisou produtos em diversas partes do mundo para que pudessem ser vendidos na loja com suas marcas originais, mas com etiquetas de exclusividade produzidas pela própria rede. O Serra da Grama foi o café escolhido entre os vários concorrentes.

A família Taramelli administra duas fazendas de café em São Sebastião da Grama, além da São Gabriel: a Santa Terezinha e a São Caetano. Juntas, as três fazendas têm plantados cerca de 1 milhão de pés de café. A torrefadora da família recebeu este ano o Prêmio Diamante no 9º Concurso Estadual de Qualidade Café de São Paulo, como empresa que mais investe em qualidade.

Tudo o que sabemos sobre:
caféSerra da GramaHediard

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.