Café: trader estima safra do Vietnã em até 17,5 milhões de sacas

São Paulo, 11 - A produção de café na safra 2004/05 do Vietnã deve ficar entre 16 e 17,5 milhões de sacas de 60 quilos, disse o diretor da Noble Coffee SA em Ho Chi Min, Jens Nielsen, durante o Simpósio e Exibição Mundial de Café e Chá de 2004, realizado em Cingapura. A previsão, diz ele, é superior as 15 milhões de sacas estimadas para a safra 2003/04 e as 15,4 milhões de sacas da safra 2000/01. "Agora vamos acompanhar as condições climáticas nos próximos meses. Se o clima for favorável, teremos uma safra de excelente qualidade", afirmou Nielsen. O ano safra do Vietnã vai de outubro a setembro. A colheita da safra 2004/05 deve começar em novembro, com um atraso de duas semanas. Em 1º de outubro, a Associação de Café e Cacau do Vietnã estimou um aumento de 10% na safra para 13,2 milhões de sacas, ante 11,7 milhões em 2003/04. O número é contestado pelos participantes que consideram que a safra 2003/04 deverá atingir 13 milhões de sacas e que a safra 2004/05 deve ficar entre 14 e 15 milhões de sacas. O volume da safra vietnamita é monitorado de perto pela indústria por causa de seu potencial para alterar a oferta mundial e, por conseqüência, os preços globais da commodity. Segundo Nielsen, a indústria local, o governo e companhias privadas nacionais e estrangeiras fizeram investimentos nos últimos dois anos para atender ao nicho de cafés especiais, melhorando a qualidade tanto do robusta como do arábica. O Vietnã foi considerado responsável por colocar no mercado global um grande volume de café de baixa qualidade, levando os preços da commodity a caírem a níveis históricos. Nielsen considera que essa visão vai mudar, porque "o país está investindo em variedades de alta qualidade. Há dez anos existiam apenas três qualidades diferentes de café no país, mas hoje há 40 tipos diferentes". Ele afirma que a demanda pelo produto vietnamita é forte, com compradores inclusive descartando o grão africano. Nielsen afirma que a maior parte dos produtores de café do Vietnã são pequenos proprietários, com lavouras entre 0,5 e 3 hectares, o que dificulta a produção de grãos de melhora qualidade. Ele observa que o país é visto como grande produtor de robusta, mas também produz em pequena quantidade café arábica. "Nós estimamos a produção de arábica no Vietnã entre 20.000 e 30.000 t até o momento. Mas está crescendo", afirma o diretor. Ele afirmou que importantes áreas produtoras, principalmente na província de Lam Dong, estão trocando suas lavouras de robusta por café, seguindo recomendações do governo e da associação de produtores do país. A província tem 119.000 hectares disponíveis para o cultivo de café e produz em média 110.000 t de café por ano. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.