Caged mostra esfriamento do mercado de trabalho, diz WestLB

Para junho, o estrategista-chefe do banco prevê que saldo seja positivo em 210 mil empregos, com destaque para os setores de comércio e serviços

Anne Warth, da Agência Estado,

20 de junho de 2011 | 16h53

O estrategista-chefe do Banco WestLB do Brasil, Roberto Padovani, disse nesta segunda-feira, 20, que o resultado do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do mês de maio, com a criação de 252.067 vagas com carteira assinada, mostra sinais de que o mercado de trabalho está se acomodando. "O número mostra um esfriamento do mercado de trabalho", afirmou Padovani, que esperava a criação de 270 mil postos de trabalho no mês.

Para junho, Padovani prevê que o saldo do Caged seja positivo em 210 mil empregos, com destaque para os setores de comércio e serviços. No segundo semestre, ele acredita que o saldo caminhe lentamente para uma média de 150 mil vagas por mês. Para o ano, o estrategista-chefe espera que o saldo do Caged seja a criação de 1,3 milhão de postos de trabalho.

"Dá para dizer que temos um processo de ajustamento em curso e que o emprego formal vai convergir para patamares mais próximos da tendência histórica", afirmou. "O mercado de trabalho continua aquecido, mas mostra uma tendência de um ritmo um pouco mais moderado a partir de agora."

Tudo o que sabemos sobre:
cagedmercadotrabalhoesfriamentowestLB

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.