Camargo Corrêa prepara oferta para Cimpor, dizem jornais

Pelo menos mais uma empresa brasileira, a Camargo Corrêa, pode fazer uma oferta para a Cimpor, a maior produtora de cimento de Portugal, após a oferta da CSN divulgada na sexta-feira, publicou a imprensa portuguesa nesta segunda-feira.

REUTERS

21 de dezembro de 2009 | 09h14

O diário "i" citou uma fonte próxima à situação afirmando que o conglomerado de construção Camargo Corrêa tem interesse em não mais que um terço da Cimpor em uma "abordagem muito mais amistosa do que a da CSN".

"Há várias possibilidades, uma oferta em dinheiro ou um acordo que envolva fusão de negócios... A proposta da Camargo deve ser anunciada na terça-feira ou na quarta-feira e será em um modelo diferente do divulgado pela CSN", disse a fonte segundo o diário.

O Diário Econômico e o Jornal de Negócios também publicaram que a Camargo está preparando uma oferta, que pode visar uma fatia minoritária em vez de toda a empresa, como é a intenção da siderúrgica CSN.

As ações da Cimpor, que subiram 16 por cento na sexta-feira, subiam 0,95 por cento nesta segunda-feira para 6,40 euros, perto do maior valor em cerca de dois anos e meio.

Contatada pela Reuters, um representante da Camargo Corrêa em Lisboa disse que "ainda não há nada a anunciar". No Brasil, representante da companhia não estava imediatamente disponível para falar sobre o assunto.

Outros potenciais interessados mencionados pela mídia local são o conglomerado Votorantim, maior produtor de cimento do Brasil, a suíça Holcim e a mexicana Cemex.

A francesa Lafarge tem 17 por cento de participação na Cimpor, mas analistas vêem que uma oferta da maior produtora mundial de cimento não é provável num momento em que ela procura se recuperar do impacto da recessão econômica global. A Lafarge preferiu não comentar a questão.

Tudo o que sabemos sobre:
EMPRESASCAMARGOCORREACIMPOR*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.