Divulgação
Divulgação

Campanha fala de talento, e não em deficiência

Canal britânico Channel 4 inovou no vídeo promociona para a Paralimpíada

Fernando Scheller, O Estado de S.Paulo

29 de agosto de 2016 | 05h00

O canal britânico Channel 4, que aposta pesadamente no poder de atração da audiência da Paralimpíada, inovou no vídeo promocional que produziu para promover o evento no Rio de Janeiro, que começa no dia 7. Em vez de apostar apenas no esforço sobre-humano dos atletas, como fez em 2012, a companhia decidiu criar um vídeo musical, mostrando também cenas do dia a dia de portadores de deficiência que não são atletas.

Para produzir o vídeo musical, a empresa foi atrás de exemplos muito além do Reino Unido. Em primeiro plano, aparece o cantor australiano Tony Dee (nome real: Doevendans), portador de uma condição denominada espinha bífida, que foi descoberto pela emissora depois de postar um vídeo no You Tube com a música Come Fly With Me, de Frank Sinatra. A canção escolhida para o vídeo promocional foi Yes, I Can, de Sammy Davis Jr. (um dos membros do grupo chamado Rat Pack, do qual Sinatra também era parte), gravada originalmente em 1968.

Já o baterista Alvin Law – que toca usando os pés – é um dos sobreviventes da talidomida (um antidepressivo alemão, usado largamente nas décadas de 1950 e 1960, que mais tarde descobriu-se ter entre seus efeitos colaterais a má formação de fetos). Na entrevista que concedeu para o vídeo de making of feito pelo Channel 4, o canadense Law afirmou que sempre soube que os pés seriam o meio para ele se expressar.

“É tão estranho que a música tenha o título Yes, I Can porque este foi o meu mantra durante a infância. Meu pai e minha mãe sempre me disseram isso até eu cansar: a expressão ‘não posso’ não existe”, disse. “E faz todo o sentido para mim. Esse vídeo não é sobre deficiência, mas sim sobre incríveis talentos.”

O dançarino Evan Ruggiero também aparece com destaque no pequeno musical do Channel 4. Ruggiero, que praticava sapateado desde pequeno, teve de amputar uma das pernas aos 19 anos, depois de ser diagnosticado com câncer ósseo. Ele aparece no vídeo mostrando sua capacidade para o sapateado, usando sua prótese. Ao jornal britânico The Guardian, o americano Ruggiero afirmou que voltou às aulas de dança que já frequentava assim que se acostumou com a perna mecânica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.