Cana: processamento no Centro-Sul tem déficit de 7 mi/t em 2004/05

Ribeirão Preto, 29 - O processamento da cana-de-açúcar no Centro-Sul desta safra até o final da primeira quinzena de setembro tem um déficit de 7 milhões de toneladas em relação à mesma posição na safra passada. A informação consta do mais recente levantamento de informações das usinas e destilarias enviado aos órgãos do governo federal e às entidades do setor sucroalcooleiro. Do início da safra até 15 de setembro foram processadas no Centro-Sul 210,8 milhões de toneladas de cana, ante 217,8 milhões no mesmo período da safra passada. Nos primeiros 15 dias deste mês foram moídas 25,2 milhões de toneladas de cana na região brasileira. Com isso, o déficit, que já superou 15 milhões de toneladas em agosto, caminha para ser zerado até o final da safra, que enfrentou problemas na colheita em virtude das chuvas que atingiram o Centro-Sul até junho. Além disso, a safra 2003/2004 foi antecipada em um mês para suprir a possível falta de álcool combustível. Ainda segundo o levantamento do setor, o teor de sacarose da cana colhida até agora está 6,6% menor do que no ano passado e o rendimento por tonelada é 3,8% mais baixo. A produção de açúcar nas usinas do Centro-Sul até o final da primeira quinzena de setembro é apenas 0,7% menor em relação ao mesmo período da safra passada. Foram produzidas 14,4 milhões de toneladas de açúcar até 15 de setembro deste ano, ante 14,5 milhões de toneladas na mesma posição de 2003. Já os estoques físicos estão 6% maiores nesta safra, ante a passada, com, respectivamente, 5,3 milhões de toneladas e 5 milhões de toneladas de açúcar guardadas nas usinas. A produção de álcool total e os estoques do combustível nas destilarias do Centro-Sul do Brasil seguem com um déficit de 1 bilhão de litros na posição consolidada de produção de 15 de setembro na safra 2004/2005, em comparação ao mesmo período da safra passada. Foram produzidos 8,2 bilhões de litros nesta safra, ante 9,2 bilhões de litros na 2003/2004, ou seja, 10,87% de déficit se comparados os dois períodos. Os estoques nas unidades produtoras de álcool eram de 3,5 bilhões de litros em 15 de setembro deste ano, ante 4,5 bilhões de litros no mesmo dia de 2003. Além da produção antecipada de álcool na safra passada e das chuvas que atrasaram o processamento nesta safra, a demanda pelo combustível vem crescendo neste ano, graças aos preços baixos verificados no primeiro semestre. Projeções das unidades produtoras apontam uma demanda de álcool de 1,3 a 1,35 bilhão de litros neste mês de setembro, sendo que 200 milhões de litros seguirão para a exportação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.