Cana: Rodrigues discute abastecimento de álcool e crédito rural

Ribeirão Preto, 25 - O ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, reúne-se hoje, às 19h30, em seu gabinete, com o presidente da União da Agroindústria Canavieira de São Paulo (Unica), Eduardo Pereira de Carvalho, e o presidente do Conselho Administrativo da Copersucar, Hermelindo Ruete de Oliveira. Apesar de a assessoria de Rodrigues divulgar apenas que o encontro será para tratar sobre a política de crédito rural, o que realmente foi pedido pela Copersucar, Rodrigues afirmou, anteontem, que reunião foi também solicitada pelo presidente da Unica, principal entidade do setor que representa cerca de 300 usinas e destilarias brasileiras. O assunto principal será o abastecimento do álcool combustível no País durante a entressafra do processamento de cana, entre dezembro deste ano e abril de 2005. Rodrigues garante seguidamente que "está absolutamente tranqüilo" em relação ao fornecimento do álcool. "As notícias que tenho recebido do setor sucroalcooleiro garantem que não haverá desabastecimento de álcool. E olha que eu tenho cutucado sempre", disse Rodrigues anteontem antes de um evento sobre cooperativismo. O ministro admitiu ainda que será necessária, durante a reunião, fazer uma reavaliação da oferta do açúcar e do álcool, principais produtos da cana. Apesar de sua aparente tranqüilidade, o ministro já se reuniu com o setor há um mês e voltou a cobrar a garantia de abastecimento do combustível. Um monitoramento elaborado pela Câmara Setorial do Açúcar e do Álcool, órgão consultivo ao Ministério da Agricultura, aponta que há um déficit de produção de álcool de 1 bilhão de litros neste ano em relação ao mesmo período de 2003 e um consumo também 1 bilhão de litros superior. Já as exportações de álcool também surpreenderam e chegarão a 2 bilhões de litros neste ano, ante 900 milhões de litros no ano passado. A pressão da demanda e a queda no consumo fizeram com que o preço do álcool subisse até 30% para o consumidor final no último mês. A própria Câmara Setorial do Açúcar e do Álcool iniciou, na última semana, a revisão do estudo, feito no início deste ano, que traçava a demanda de álcool, gasolina e gás natural veicular (GNV) até 2010 no País. O estudo previa, por exemplo, que seriam vendidos 250 mil veículos flex fuel, movidos a álcool e/ou gasolina, e até setembro já foram comercializados 253 mil unidades, de acordo com a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). Além de reavaliar a produção do álcool, Rodrigues aceita até mesmo rediscutir o acordo feito com usineiros no início de 2003, quando o setor garantiu, ao próprio presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, o preço de R$ 1,00 por litro do anidro misturado em 25% à gasolina nas destilarias. "Isso foi há um ano e será preciso rediscutir essa questão, pois sequer havia a crise do petróleo. Mas o assunto mais importante será uma revisão do que será a produção do açúcar e do álcool este ano, já que estamos chegando ao final da safra", completou o ministro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.