Dida Sampaio/Estadão - 13/9/2021
Em Brasília, a passageira Regina Picoli já sentiu no bolso a diferença no preço da corrida da Uber. Dida Sampaio/Estadão - 13/9/2021

Cancelamento de corridas se torna uma rotina para usuários da Uber e 99

Idec vê aumento no número de passageiros insatisfeitos com aplicativos de transporte e atribui críticas ao preço 'irreal' adotado pelas empresas nos últimos anos no Brasil

Amanda Pupo e Heloísa Scognamiglio, O Estado de S.Paulo

14 de setembro de 2021 | 05h00

BRASÍLIA E SÃO PAULO - Passageiros que usam aplicativos de motorista particular estão mais insatisfeitos com a experiência de chamar um carro pelas plataformas, em razão de cancelamentos de corridas e do tempo de espera. O termômetro é feito pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), que percebeu um aumento dessas reclamações nos últimos meses, mesmo período em que o preço do combustível disparou no Brasil.

Coordenador de mobilidade urbana do Idec, Rafael Calabria, atribui essas críticas ao preço “irreal” e "surpreendentemente baixo'' que as plataformas exerceram durante os últimos anos no Brasil. Essa cobrança superficial agora se traduz numa má qualidade dos serviços, segundo ele. “Quando o preço é irreal, não consegue sustentar por muito tempo. Ele atrai pessoas por um tempo, mas depois começa a mostrar impactos ruins nesse preço artificial”, diz.

A avaliação de Calabria vai ao encontro com o relato de motoristas que passaram a não ver mais vantagens em fazer viagens em certos períodos do dia ou da semana. Com isso, os passageiros sentem na ponta o problema de oferta de carros.

A analista de redes sociais Camila Nishimoto, de 25 anos, costuma usar o Uber para se deslocar na Grande São Paulo. Ela relata que percebeu um aumento considerável no preço das corridas nos últimos tempos e também uma maior dificuldade em conseguir um carro. “Se tornou rotina ter vários cancelamentos dos motoristas até conseguir um que aceite a corrida”, afirma.

Para o coordenador no Idec, é importante entender que há um sentido em haver uma correção no preço cobrado por corrida nessas plataformas. Em Brasília, a passageira Regina Picoli sentiu a diferença no bolso. Ela lembra que, em agosto, uma viagem do aeroporto de Brasília até sua casa lhe custou cerca de R$ 30. Nesta segunda-feira, 13, o preço cobrado foi de R$ 40. “Agora eu vi que aumentou bastante”, disse ela.

Com um reajuste dos valores, o Idec avalia que as cidades deverão passar por uma nova acomodação no transporte de passageiros. O cidadão vai precisar refletir melhor em qual trajeto compensa usar os aplicativos de corrida individual.

Larissa Silva de Lima, de 26 anos, trabalha com edição de vídeos para publicidade e já pratica a “reacomodação” citada pelo coordenador do Idec. Para ela, o que está compensando no momento é combinar o uso transporte público com o uso do aplicativo, para que os valores das corridas não fiquem tão altos.

“O que faço geralmente é diminuir o tempo do trajeto que eu faço com a Uber. Pego ônibus ou metrô até onde consigo, e então pego Uber somente no resto do trajeto, para pagar menos. Também não estou usando Uber sempre, diminuí as viagens. Quando é uma corrida de trabalho, consigo reembolso com a empresa, mas se não for, também fico horas antes simulando as corridas, para saber qual horário está mais barato”, explica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Uber e 99 em xeque: mais caro para passageiros e pouco atraente para motoristas

Reajustes dos ganhos para motoristas concedidos pelos aplicativos de transporte não reparam alta de custos, afirma categoria; avanço de 50% no ano dos preços dos combustíveis é um dos maiores desafios do setor

Amanda Pupo e Heloísa Scognamiglio, O Estado de S.Paulo

14 de setembro de 2021 | 05h00
Atualizado 14 de setembro de 2021 | 19h33

BRASÍLIA E SÃO PAULO - O reajuste dos ganhos de motoristas anunciado pelas empresas Uber e 99 foi insuficiente, segundo eles, para compensar a alta recente de preços dos combustíveis e com a manutenção dos veículos. O movimento das plataformas veio após relatos de parceiros deixando a profissão ou negando corridas para não ficar no prejuízo. 

O Estadão conversou com motoristas de apps, e a avaliação é de que a mudança foi tímida e que os ganhos foram consumidos pela inflação. Só o combustível teve alta de mais de 50% no ano. Já o reajuste das empresas nos repasses aos motoristas foi de até 35%, sendo de 10% em algumas regiões. A reportagem enviou questionamentos dos motoristas ao Uber e ao 99, mas as empresas não responderam diretamente às perguntas, ressaltando apenas os reajustes concedidos.

Para Tarcísio de Oliveira, de 42 anos, o valor repassado aos motoristas deveria subir entre 30% e 35% para recompor os custos. Ele trabalha com uma das plataformas há um ano. “Creio que não (foi suficiente o reajuste de 15% do Uber em Brasília), mas melhorou”, afirma o motorista, que calcula um ganho de R$ 50 a mais, com o reajuste, a cada 500 km rodados.

No ramo há três anos, João Paulo da Silva, de 26 anos, calcula que a margem de lucro dos condutores foi reduzida em até 40% no último ano. Com a alta dos custos, Silva mudou sua forma de trabalho. Passou a preferir as corridas às quintas, sextas e fins de semana, quando a demanda por motoristas é mais alta. Em suas contas, a ocupação não compensava mais em dias de semana e nos trajetos mais curtos. Para Silva, o reajuste anunciado pelas empresas não vai mudar o cenário. “Esses passageiros que continuam tentando pegar essas viagens curtas vão continuar sofrendo da mesma forma. Com certeza, não (será suficiente para trazer gente de volta). Quem saiu do aplicativo, encontrou alguma coisa melhor.”

A avaliação é reforçada pelo presidente do Sindicato dos Motoristas Autônomos por Aplicativos do Distrito Federal, Marcelo Chaves. “O reajuste foi tão mínimo, pelo menos no Distrito Federal, que o motorista nem sentiu no bolso. Não resolveu muita coisa, não”, diz ele. 

Motoristas que atuam pela Uber e pela 99 na Grande São Paulo ressaltam que o porcentual de reajuste anunciado pelas empresas não é fixo nem vale para todas as corridas. “Eles anunciam esses reajustes de ‘até’ tanto porcento, ou seja, pode ser que não chegue ao valor máximo. E não vale para todas as corridas, esse reajuste vai depender do horário, do local, do tipo de corrida, do passageiro, enfim, de inúmeros fatores para que o motorista receba esse reajuste”, explica Eduardo Lima de Souza, presidente da Associação dos Motoristas de Aplicativo de São Paulo (Amasp).

“Só neste ano, o combustível teve aumento de mais de 50%. Então, ainda está defasado esse reajuste, o motorista ainda sai perdendo”, acrescenta Souza. “Todo e qualquer reajuste ou aumento para uma categoria é sempre bem-vindo, mas esse em questão é insuficiente”, diz.

Para Souza, as parcerias com os postos de combustível firmadas pelos aplicativos também não ajudam – o Uber firmou parceria que envolve cashback para os motoristas com o posto Ipiranga, enquanto a 99 se juntou à rede Shell. “Essas parcerias são com as bandeiras que têm o combustível mais caro. É possível encontrar bandeiras com o valor da gasolina mais barato”, diz.

Rosemar Pereira, de 48 anos, que trabalha como motorista dos dois aplicativos, disse que os reajustes anunciados são “conversa fiada”. “Se for dar um aumento, que dê um aumento igual em todas as corridas, um aumento fixo, um aumento real. Precisamos de uma tarifa digna, para que possamos trabalhar tranquilamente e arcar com as nossas despesas”, diz.

Tarifa dinâmica

Outra reclamação dos motoristas que atuam em São Paulo é a diminuição da taxa dinâmica. A taxa dinâmica é uma forma que os aplicativos encontram de compensar a alta demanda de corridas em uma determinada ocasião, aumentando a taxa cobrada dos passageiros. Os motoristas, porém, relatam que as taxas não estão tão altas como eram antes, ou ela  simplesmente não existe mais.

“Estudo muito os horários em que posso ter mais ganhos. Trabalho mais nos horários em que outros motoristas não estão trabalhando, justamente também pela tarifa dinâmica. Mas ela simplesmente some, ou então não aparece tão alta como aparecia antes. Derrubou bastante os valores da tarifa dinâmica”, relata Ana Paula Aparecida de Oliveira, 38 anos, que também trabalha com os dois aplicativos

Eduardo Lima de Souza, da Amasp, afirma que há muitos relatos dos motoristas em relação à tarifa dinâmica. Segundo ele, há uma suspeita dos motoristas de que a derrubada dos valores de tarifa dinâmica compensam os novos reajustes anunciados pelos aplicativos recentemente.

Procurado, o Uber afirmou que, “com o aumento constante dos combustíveis”, tem “intensificado seus esforços para ajudar os motoristas parceiros a reduzirem seus gastos, com parcerias que oferecem desconto em combustíveis, por exemplo, assim como tem feito uma revisão e reajustado os ganhos dos motoristas parceiros em diversas cidades”. 

Já a 99 disse que os novos valores levam em consideração “o impacto negativo do aumento dos combustíveis sobre a categoria, considerando a manutenção do equilíbrio da plataforma”. “O objetivo é continuar oferecendo uma fonte de ganho para os motoristas parceiros e um meio de transporte financeiramente viável, seguro e eficiente para a população.” 

Atualização 

Após a publicação da reportagem, a 99 enviou nota ao Estadão nesta terça-feira, 14, destacando que o reajuste concedido aos motoristas pelo aplicativo vale 24 horas por dia, todos os dias, além de ser subsidiado pela própria empresa. Leia abaixo na íntegra: 

“A 99 esclarece que o reajuste nos ganhos dos motoristas, de 10% a 25%, é subsidiado pela 99. O benefício foi concedido às categorias 99Pop, 99Compartilha, 99Poupa e 99Entrega, e cobre todos os horários, 24 horas por dia, 7 dias por semana, e não se trata de uma ação promocional ou temporária. A 99 ainda destaca que a plataforma trabalha com preços dinâmicos e que os valores finais das corridas para os passageiros são calculados a partir de uma equação que leva em conta oferta e demanda. Por fim, a empresa informa que os motoristas parceiros podem checar os detalhes dos seus ganhos por viagem no próprio aplicativo ou em páginas online de suas respectivas cidades, como neste exemplo de São Paulo [apenas no mobile]: https://motoristas.99app.com/ganhos-sp/.” 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.