José Patrício/Estadão/19/03/2015
José Patrício/Estadão/19/03/2015

Caoa Chery vai suspender demissões em Jacareí e colocar trabalhadores em lay-off, diz sindicato

Suspensão temporária de contratos entrará em vigor em 1º de junho e terá duração de cinco meses, segundo Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos

Cleide Silva, O Estado de S.Paulo

11 de maio de 2022 | 16h27

O Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região informou nesta quarta-feira, 11, que a Caoa Chery concordou em suspender as demissões de cerca de 480 funcionários da fábrica de Jacareí (SP) e substituir a medida por um programa de lay-off. A empresa, porém, não confirmou a medida e disse que continua em negociação com a entidade.

Segundo o sindicato, a suspensão temporária de contratos entrará em vigor em 1º de junho e terá duração de cinco meses, e depois mais três meses de estabilidade no emprego, ou seja, continuarão ligados ao grupo até janeiro.

A entidade ressaltou ainda que os trabalhadores continuarão um movimento para que a fábrica não seja fechada. O grupo anunciou na semana passada que vai manter a planta fechada até 2025, período em que pretende preparar as instalações para produzir apenas carros híbridos e elétricos.

A unidade produzia o SUS Tiggo 3 - que saiu de linha - e o sedã Arrizo 6, que passará a ser importado da China. A produção, no entanto,  estava parada desde meados de março, quando os funcionários desse setor entraram em licença remunerada. 

O grupo emprega 627 trabalhadores na unidade do interior de São Paulo e tem também uma fábrica em Anápolis (GO), que continuará operando normalmente.

Com o acordo que teria sido feito nesta quarta-feira, 11, de acordo com o sindicato, os  trabalhadores receberão salários na íntegra e continuarão com planos de saúde. 

No lay-off, parte da remuneração é paga com recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). Inicialmente, a Caoa Chery queria demitir esse pessoal e pagar três salários extras, além das indenizações previstas em lei.

Manutenção da fábrica

O presidente do Sindicato, Weller Gonçalves, afirmou que levará à empresa a proposta de manter no local a produção do Arrizo 6, em vez de importá-lo. Ele disse temer que a empresa não cumpra a promessa de voltar a operar em 2025.

Os dirigentes sindicais pretendem pressionar os governos federal, estadual e municipal para que proíbam o fim das atividades da fábrica na cidade e já protocolou proposta de projeto de lei na Câmara Municipal de Jacareí para proibir o fechamento.

“Se os planos da Caoa Chery se concretizarem, 480 trabalhadores diretos serão demitidos e isso representa a perda de R$ 53 milhões em massa salarial circulando na cidade”, afirmou Gonçalves. No setor de autopeças, o impacto deve ser de R$ 37 milhões. Segundo ele, os dados do Instituto Latino-americano de Estudos Socioeconômicos (Ilaese).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.